Em comunicado, enviado à Lusa àquela hora, o INEM refere que "nenhuma chamada ou emergência ficou, até ao momento, por atender", alegando que o Sistema Integrado de Emergência Médica, que gere, deu "resposta a cem por cento".

Segundo a nota, a paralisação de hoje, que começou às 00h00 e termina às 24h00, teve uma adesão de 17 por cento dos trabalhadores.

"Não vou entrar em guerra de números", declarou à Lusa, quando confrontado com os dados do INEM, Luís Pesca, dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, estrutura que convocou a greve.

Luís Pesca assinalou, no entanto, a este propósito, que os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) estão a funcionar com serviços mínimos.

Hoje de manhã, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais apontou a situação de várias ambulâncias paradas no país, ressalvando que os serviços mínimos estavam a ser cumpridos e que nenhuma chamada ou emergência ficara por atender.

Em Lisboa, estiveram paradas, de manhã, oito de 13 ambulâncias e no Porto uma em seis ambulâncias.

Hoje de manhã, na capital, e na sequência da greve, várias dezenas de trabalhadores do INEM manifestaram-se em protesto pela falta de conclusão da carreira que estava a ser negociada com o Governo.

Em resposta, no comunicado, o INEM acusa a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais de ter inviabilizado "os prazos legais estipulados para a viabilização e aprovação, em sede própria", da carreira de técnico de emergência, ao não ter assinado "a proposta validada pelo Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.