6 de dezembro de 2013 - 15h45
A Fundação Champalimaud vai lançar no início do próximo ano um programa de avaliação de risco global de cancro baseado numa análise do comportamento individual e do registo médico familiar de cada pessoa, foi hoje anunciado.
"A ideia é, mesmo em relação a quem não tem sintomas, nem queixas concretas, - sabendo que hoje metade dos homens e um terço das mulheres têm ou vão ter um cancro ao longo da sua vida - encontrar uma forma de os ajudar a gerir essa possibilidade, antes mesmo que ela surja", disse a presidente da Fundação, Leonor Beleza.
Leonor Beleza, que falava aos jornalistas no final da reunião de curadores da fundação, explicou que o programa não visa o diagnóstico precoce de um certo tipo de cancro, mas "pretende ver a pessoa como um todo" para tentar compreender se corre risco acrescido de desenvolver a doença.
"[...]Um médico fará uma leitura global da pessoa e ajuda-la-á a compreender se está ou não com uma situação de risco superior à média e que tipo de comportamento e vigilância deve adotar para evitar esse risco", explicou.
Segundo Leonor Beleza, a avaliação terá em conta a história familiar da pessoa e poderá ser complementada com a realização de um estudo genético.
"A pessoa fica também a saber se deve submeter-se mais cedo e com mais frequência aos testes[de diagnóstico] que existem neste momento para detetar se há uma situação anómala", exemplificou
Questionada sobre o custo desta avaliação, Leonor Beleza considerou que "nunca será tão caro, tão violento e tão doloroso como tratar uma situação descoberta demasiado tarde".
Leonor Beleza anunciou ainda a abertura na Fundação de uma Escola Europeia de Neurociências, para a formação de neurocientistas em várias alturas da carreira, e a realização, em fevereiro de 2014, de um encontro internacional de especialistas em cancro colo-retal.
Com o título "Quando não operar", o encontro visa, segundo Leonor Beleza, estabelecer diretivas para determinar quando é que o doente deve ser submetido a um tratamento que inclua cirurgia ou apenas "vigilância ativa".
Questionada sobre o relacionamento entre a Fundação Champalimaud e o Serviço Nacional de Saúde (SNS), Leonor Beleza adiantou que continuam a ser "muito poucos" os doentes encaminhados pelo SNS para os serviços da fundação, sublinhando que cabe aos responsáveis do SNS decidir se querem ou não recorrer a esses serviços.
A Fundação Champalimaud, que na semana passada abriu em Manaus, no Brasil, um centro para a deteção de cancros dos olhos, conseguiu oito milhões em bolsas de investigação em 2013, valor que será usado ao longo de cinco anos.
Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.