A responsável é a conjuntivite alérgica, um problema de saúde recorrente, que atinge cerca de três em cada dez portugueses, sobretudo os mais jovens, e que pode ser tratável e prevenível, refere a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO).

A melhor forma de contornar esta patologia é evitar o contacto com os alergénios, as substâncias que desencadeiam as reações alérgicas.

As alergias podem desaparecer? 10 mitos desvendados
As alergias podem desaparecer? 10 mitos desvendados
Ver artigo

Na primavera, os pólenes são os principais alergénios, encontrando-se em concentrações muito elevadas no nosso país. Embora possa parecer uma missão difícil evitá-los há formas de o fazer.

As pessoas mais suscetíveis devem evitar caminhar em zonas arborizadas nas primeiras horas da manhã, momento do dia em que a polinização é maior, e em dias de muito vento, quentes e secos.

"A conjuntivite alérgica sazonal é a reação alérgica ocular mais frequente", refere Vanda Nogueira, médica oftalmologista e coordenadora do Grupo Português de Inflamação Ocular da SPO.

"Trata-se de uma inflamação ocular da conjuntiva, que é a membrana que reveste o olho para o proteger. A inflamação da conjuntiva faz-se muitas vezes acompanhar também por sintomas nasais", acrescenta a especialista, confirmando que este é um problema que "surge frequentemente associado a outras doenças alérgicas, como a rinite".

Dois tipos de conjuntivite

A primavera chegou. 10 conselhos para evitar os sintomas das alergias
A primavera chegou. 10 conselhos para evitar os sintomas das alergias
Ver artigo

Esta forma de conjuntivite, que resulta dos pólenes libertados pelas árvores, difere da conjuntivite alérgica perene, que pode surgir em qualquer altura do ano, sendo sobretudo causada pelos ácaros e pelo pêlo dos animais.

A conjuntivite alérgica pode também ser confundida com as conjuntivites de origem bacteriana ou viral, pelo que o seu diagnóstico deve ser feito por um oftalmologista.

Quanto ao tratamento, Vanda Nogueira explica que é feito com recurso "a medicamentos anti-inflamatórios ou anti-histamínicos", mas aproveita para reforçar que o mais importante é "diminuir ou evitar a exposição aos agentes que provocam a reação alérgica".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.