As manifestações, que ocorreram pela primeira vez em Otava no passado fim de semana, em 29 de janeiro, espalharam-se a outras grandes cidades canadianas durante este fim de semana.

Dezenas de camiões e manifestantes continuavam hoje a paralisar o centro da capital do Canadá.

“A situação, neste momento, está completamente fora de controlo, porque os manifestantes estão a mandar”, disse o presidente da câmara, Jim Watson, em declarações a uma rádio local, realçando que aqueles “ultrapassam em muito a polícia”.

“Estamos a perder a batalha, (…) temos de recuperar a nossa cidade”, frisou o autarca, descrevendo como “inaceitável” o comportamento dos manifestantes, que estão a bloquear e as destruir as ruas com os camiões.

O movimento, apelidado de “Freedom Convoy”, visava inicialmente protestar contra a decisão das autoridades de exigirem, desde meados de janeiro, que os camionistas fossem vacinados para atravessar a fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos, mas rapidamente transformou-se num movimento contra as medidas sanitárias em geral para evitar a propagação da pandemia de covid-19 e também, para alguns, contra o Governo liderado por Justin Trudeau.

Os manifestantes dizem que continuarão a sua ocupação até que as medidas sanitárias restritivas sejam levantadas.

Movimentos semelhantes, mas menores, tiveram lugar em várias grandes cidades canadianas no sábado, incluindo Toronto, Cidade do Quebeque e Winnipeg, e continuaram hoje na Cidade do Quebeque.

Na capital da província francófona do Canadá, os manifestantes eram menos que no sábado, e cerca de trinta camiões ainda foram tolerados pela polícia local, que, no entanto, avisou os camionistas que estariam em violação dentro de poucas horas.

Numa reunião de emergência com funcionários municipais, no sábado, o chefe da polícia de Otava, Peter Sloly, queixou-se de não ter recursos suficientes para acabar com aquilo a que chamou um “estado de sítio” e apelou a “recursos adicionais”.

A polícia de Otava deverá ser reforçada em breve com cerca de 250 membros da Real Polícia Montada Canadiana (RCMP), uma força policial federal.

Cerca de 450 multas foram passadas desde a manhã de sábado, inclusive por excesso de ruído e fogo de artifício, disse hoje a polícia de Otava, referindo que houve comportamentos perturbadores ou ilegais por parte dos manifestantes durante a noite, que representavam um risco para a segurança pública ou um aumento da “angústia” para os residentes da cidade.

Foram também abertas cerca de 100 investigações sobre crimes relacionados com o protesto.

A covid-19 provocou pelo menos 5,723 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse, divulgado no sábado.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.