O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou na quinta-feira a existência de contactos para a colaboração do setor privado com o SNS com o objetivo de libertar camas de cuidados intensivos para doentes com covid-19.

Questionado hoje sobre as declarações do chefe de Estado na conferência de imprensa sobre a covid-19, o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serra Lopes, afirmou que “o SNS tem uma relação já longa e profícua com o setor privado e o setor social que, aliás, implica contactos diários".

“Como tal, é óbvio, que estamos sempre em contacto e caso seja necessário e caso seja essa considerada a melhor opção, recorreremos a soluções desse âmbito. De qualquer forma, a prioridade, que já tem alguns anos, é o reforço do SNS e da sua capacidade”, salientou o governante.

Diogo Serra Lopes frisou que a pandemia covid-19 “demonstrou cabalmente a importância de um SNS robusto que seja capaz de responder a todo o tipo de situações”, tendo para isso sido realizados “vários reforços orçamentais” para que “possa responder melhor”.

Questionado sobre se há hospitais com situações idênticas às que aconteceram nos hospitais Amadora-Sintra e no Beatriz Ângelo, em Loures, que tiveram de pedir ao INEM que não lhes encaminhasse os doentes urgentes de madrugada devido à sobrecarga dos serviços de urgência, o governante disse que são “casos pontuais” e que ”não são específicos nem novos da pandemia”.

“Já aconteceram noutras situações. E, portanto, há situações em que um determinado hospital não está a conseguir dar a resposta necessária e por isso mesmo é que o SNS é gerido em rede”, adiantou Diogo Serra Lopes.

Quando uma resposta não é adequada num sítio por excesso de procura há sempre capacidade de outros locais em lidarem com essa procura e faz parte da gestão do dia a dia, sustentou.

Quanto à aplicação de rastreio 'StayAway Covid', o governante avançou apenas que já houve um 1.683.000 ‘downloads’ da aplicação e um total de 179 códigos inseridos até ao momento.

Portugal regista hoje 2.608 novos casos de infeção com o novo coronavirus, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia de covid-19, e 21 mortos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 2.149 mortes e 95.902 casos de infeção, estando ativos 37.697 casos, mais 1.602 do que na quinta-feira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.