O trabalho “Um mês em tempos de COVID-19”, dos investigadores Vasco Ricoca Peixoto, André Vieira, Alexandre Abrantes, analisou os números da Direção-Geral da Saúde (DGS) desde o registo do primeiro caso de infeção, em 02 de março, e observou uma aparentemente “menor ferocidade” da doença no país face ao que se passa em Itália ou Espanha - os dois países mais fustigados pelo novo coronavírus, SARS-CoV-2, ambos com mais de 10.000 vítimas.

“A informação disponível sugere que o número de casos e de óbitos em Portugal está a crescer mais lentamente do que em Espanha ou Itália”, pode ler-se no documento a que a Lusa teve acesso, embora tenha sido feito uma ressalva ao “cuidado” necessário na interpretação e comparação dos dados a nível internacional. A corroborar esta análise está o crescimento de novos casos, cujo ritmo médio de 23% caiu para 9,79% no final de março. 

Cães e gatos transmitem o novo coronavírus? 15 mitos desfeitos pela OMS
Cães e gatos transmitem o novo coronavírus? 15 mitos desfeitos pela OMS
Ver artigo

Para os investigadores, “a diferença pode ser explicada pelo facto de alguns países terem serviços de saúde com melhor capacidade” para doentes com COVID-19, por “alguns países terem testado uma maior proporção da população”, o que ditou mais casos e a variação na taxa de letalidade, e por a pandemia ter chegado mais tarde ao país, “dando tempo para implementar cedo medidas de distanciamento social e adaptar os serviços de saúde”.

Por outro lado, o estudo apontou que em Portugal a maior parte dos infetados “tiveram sintomas ligeiros, sendo que 726 (8,8%) dos casos notificados foram internados”. Destes números, somente 230 (2,8%) foram alvo de internamento em unidades de cuidados intensivos (UCI), mas “desde o dia 25 de março regista-se um aumento da proporção dos casos internados em UCI, um aumento paralelo ao que se observa na taxa de letalidade”.

A nível demográfico, a investigação notou que “a infeção não se manifestou de igual forma em diferentes idades e sexos”, já que as mulheres registaram uma maior incidência em todas as faixas etárias, exceto no segmento de mais de 60 anos, mas são os homens a denotar uma maior taxa de letalidade, sobretudo acima dos 50 anos. Ainda assim, é admitida uma possível menor deteção de casos no sexo masculino.

Quanto às assimetrias regionais da COVID-19 no país, que evidenciaram um avanço mais precoce no norte, em particular na área metropolitana do Porto, o trabalho do Centro de Investigação em Saúde Pública da ENSP deixou um alerta: “As regiões que agora apresentam menos casos poderão ser aquelas onde o vírus chegou mais tarde e ainda não teve oportunidade de se espalhar na comunidade”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da COVID-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 55 mil. Dos casos de infeção, cerca de 200 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 246 mortes, mais 37 do que na véspera (+17,7%), e 9.886 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 852 em relação a quinta-feira (+9,4%).

Como é que o sabão destrói o vírus? Dúvidas sobre a lavagem das mãos

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.