“Nós só saberemos que estivemos no pico quando começarmos a descer. E mesmo assim, não é nos primeiros dias de descida, porque às vezes, a seguir a uma aparente descida, volta a haver uma subida”, referiu Graça Freitas na conferência sobre a progressão da pandemia em Portugal.

A responsável referiu que a curva epidémica em Portugal ainda está “em franca ascendência”, mas não de forma “exponencial e abrupta”.

“Temos tido uma subida relativamente aplanada, mas não sabemos quando é que vai ser o pico com certeza”, referiu, reiterando que será mais “um planalto” e que “estes dados relacionados com o pico têm que ser muito cautelosos”.

A diretora geral salientou que, mais do que número diário, o que interessa às autoridades de saúde é, sobretudo, “o número de doentes por semana” para que o sistema consiga responder.

“Esse é o grande objetivo dos serviços e do sistema de saúde: conseguir ter numa unidade de tempo, uma semana, por exemplo, um número suficientemente controlável de doentes para respondermos bem e em segurança, mesmo se para isso tenhamos que andar mais semanas até atingir o pico e depois começar a descer a curva”, afirmou.

As mais recentes previsões das autoridades de saúde sobre a fase mais aguda da doença em Portugal apontavam para o mês de maio.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 940 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 47 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 209 mortes, mais 22 do que na quarta-feira (+11,8%), e 9.034 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 783 em relação à véspera (+9,5%).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.