A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta segunda-feira a existência de 140 mortes e 6.408 casos de infeção por SARS-CoV-2 em Portugal. Relativamente a domingo, em que se registavam 119 mortes, observou-se hoje um aumento de 17,6% (mais 21).

O número de infetados aumentou de 5.962 para 6.408, mais 446 em relação a ontem, o que representa um aumento de quase 7,5%, a taxa de crescimento mais baixa desde o início do surto em Portugal.

Bélgica regista primeiro contágio de um animal doméstico pelo dono
Bélgica regista primeiro contágio de um animal doméstico pelo dono
Ver artigo

Há, ao todo, 43 casos de COVID-19 totalmente recuperados, um número que se manteve intacto nos últimos cinco boletins divulgados pela DGS.

De acordo com o boletim divulgado esta segunda-feira, existem 4.845 pessoas a aguardar resultados laboratorial e 11.482 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Quanto ao total de casos suspeitos, registaram-se até ao momento 44.206, sendo que 32.953 não foram confirmados.

Das 6.408 pessoas infetadas pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), a grande maioria (5.837) está a recuperar em casa, 571 (mais 85, +17,4%) estão internadas, 164 (mais 26, +18,8%) dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos.

Boletim da DGS
Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde

No Norte, existem 3.801 infetados (74 mortes), em Lisboa e Vale do Tejo 1.577 casos (30 mortes), na regiãi Centro 784 casos (34 mortes), 106 casos no Algarve (2 mortes) e 45 casos no Alentejo (nenhuma morte).

Nos Açores há 41 casos registados e na Madeira 44. Não há nenhuma morte a registar nos dois arquipélagos.

O grupo etário com mais óbitos é o com mais de 80 anos, com 85 mortes no total, a maioria no sexo masculino (45). O segundo grupo etário mais afetado em termos de mortalidade é o de 70-79 anos, com 31 mortes, sendo 23 homens e 8 mulheres.

Em seguida, surge o grupo etário 60-69 anos, com 16 mortos (15 homens e uma mulher). No grupo etário 50-59, há seis óbitos registados (5 homens e uma mulher). No grupo 40-49 anos, há dois óbitos do sexo feminino. Não consta deste boletim a morte do jovem de 14 anos de Ovar noticiada ontem.

Os números do boletim divulgado esta segunda-feira foram contados até às 0:00 de hoje.

Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde
Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde

Quanto aos concelhos mais afetados, Porto surge em primeiro lugar com 941 casos, seguido de Lisboa com 633 casos e Vila Nova de Gaia com 344 infetados.

Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde
Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde

Parte (51%) dos pacientes apresenta febre, tosse (61%), sendo que 35% registaram também dores musculares, 24% tiveram fraqueza generalizada, 19% dificuldade respiratória e 29% cefaleia. No entanto, só existe informação reportada sobre sintomas em 79% dos casos confirmados.

Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde
Imagem do Boletim da Direção-geral da Saúde

Em conferência de imprensa, ao início desta tarde, Graça Freitas, da Direção-geral de Saúde, e António Lacerda Sales, secretário de Estado, revelam que existem 853 profissionais de saúde infetados, sendo que 209 são médicos e 177 enfermeiros. Os restantes 477 são outros profissionais dispersos pelas restantes atividades de saúde.

Recomendações da DGS

A DGS acompanha a situação da expansão do novo coronavírus e recomenda:

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.
  • Evitar o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas; evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse;
  • Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes, com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;
  • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir;
  • Evitar o contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);
  • Evitar o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;
  • Seguir as recomendações das autoridades de saúde do país onde se encontra.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da COVID-19, já infetou mais 715 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram 34 mil pessoas.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

De acordo com a agência de notícias francesa, já foram diagnosticados pelo menos 715.204 casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença COVID-19, e a pandemia espalhou-se por 183 países ou territórios.

A Itália continua a ser o país mais afetado em número de mortes (10.779), seguido de Espanha (7.340 mortes), o foco inicial do contágio. Os Estados Unidos registam 143.025 casos e 2.514 mortes.

A China tem até ao momento 81.470 casos, sendo o quarto país com mais casos a nível mundial. Regista, no total, 3.304 mortes, segundo números oficiais.

A AFP alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, já que um grande número de países está agora a testar apenas os casos que requerem atendimento hospitalar.

Mapa mundial interativo com casos confirmados e mortes

Se não conseguir ver o mapa desenvolvido pela Universidade Johns Hopkins, siga para este link.

Os países mais afetados a seguir aos Estados Unidos, Itália, Espanha e China são o Irão, com 41.495 casos e 2.757 mortes, e a Alemanha com 62.435 casos mas apenas 541 mortes.

Vários países adotaram medidas excecionais, como a declaração do estado de emergência, o regime de quarentena obrigatório ou o encerramento de fronteiras.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, embora o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tenha já admitido prolongar o mesmo.

Cães e gatos transmitem o novo coronavírus? 15 mitos desfeitos pela OMS
Cães e gatos transmitem o novo coronavírus? 15 mitos desfeitos pela OMS
Ver artigo

Costa admite "mês mais crítico"

O primeiro-ministro, António Costa, avisou hoje que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia" da COVID-19 e por isso é necessário que se prepare para esta fase.

António Costa falava aos jornalistas na nova unidade de apoio hospitalar da Câmara e da Universidade de Lisboa, no complexo de piscinas do Estádio Universitário, depois de ter visitado também as obras de recuperação do antigo Hospital Militar de Belém, em Lisboa, que se destinam a instalar o novo centro de apoio militar para o combate à pandemia.

"O país vai entrar no mês mais crítico desta pandemia e é por isso é fundamental que nos preparemos para este mês que vamos ter pela frente", avisou.

Segundo o primeiro-ministro, os hospitais portugueses "têm vindo a dar resposta às necessidades" e estão ser feitos todos os esforços para que "continuem a dar resposta", mas caso a pandemia evolua "como está projetado" é fundamental ter estas unidades de retaguarda.

Como é que o sabão destrói o vírus? Dúvidas e perguntas frequentes sobre a lavagem das mãos

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.