Roberto Astete e Cristian Olivares, os dois artífices deste produto, começaram a fazer experiências para fabricar um detergente biodegradável, mas acabaram por encontrar uma fórmula química à base de PVA (álcool polivinílico, solúvel em água) que substitui os derivados do petróleo, responsáveis pela alta durabilidade dos plásticos que está a dizimar animais marinhos e a deteriorar o meio ambiente.

10 coisas que já devia ter deitado fora
10 coisas que já devia ter deitado fora
Ver artigo

"O nosso produto deriva de uma pedra calcária que não causa danos ao meio ambiente", assegurou Astete, diretor-geral da empresa SoluBag, que espera comercializar os seus produtos a partir de outubro no Chile, um dos primeiros países da América Latina a proibir o uso de sacos de plástico convencionais em estabelecimentos comerciais.

"É como fazer pão", acrescenta. "Para fazer pão é preciso farinha e outros ingredientes. A nossa farinha é de álcool de polivinil e outros componentes, aprovados pela FDA (agência americana reguladora de alimentos, medicamentos, cosméticos, aparelhos médicos, produtos biológicos e derivados sanguíneos), que nos permitiu ter uma matéria-prima para fazer diferentes produtos".

A grande diferença entre o plástico tradicional e o nosso é que o tradicional vai estar entre 150 e 500 anos no meio ambiente e o nosso apenas cinco minutos

Em conferência de imprensa, os dois investigadores demonstraram a solubilidade imediata dos seus sacos de plástico em água fria ou de bolsas de tecido reutilizáveis em água quente. "O que fica na água é carbono", assegura Astete. Carbono esse que, segundo testes médicos, "não tem nenhum efeito no corpo humano". Para demonstrar que a água turva resultante da dissolução é "inócua" e potável, os dois cientistas beberam alguns copos da mesma.

"A grande diferença entre o plástico tradicional e o nosso é que o tradicional vai estar entre 150 e 500 anos no meio ambiente e o nosso apenas cinco minutos. Nós decidimos quando o destruímos", afirma Astete.

A fórmula encontrada permite "produzir qualquer material plástico", razão pela qual pode ser aplicado no fabrico de talheres, pratos e embalagens.

Em dias de chuva

Como garantir que as compras chegam a casa se chover? Os fabricantes dizem que podem programar a temperatura à qual os sacos de plástico se dissolvem no contacto com a água.

Outra vantagem destes sacos é que são antiasfixia, uma causa importante de mortalidade infantil, uma vez que se dissolvem em contacto com a língua ou lágrimas.

Com a sua produção maciça, que pode ser feita nas mesmas empresas que fabricam os plásticos convencionais - basta alterar a fórmula -, o preço destes novos produtos pode ser similar ao dos atuais, garantem.

A iniciativa ganhou o prémio SingularityU Chile Summit 2018 como empreendimento catalizador de mudança, o que rendeu aos inventores um estágio no Vale do Silício, Estados Unidos, a partir de setembro.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.