Uma estirpe nunca identificada nos Estados Unidos da bactéria E. coli, resistente ao antibiótico de último recurso - a colistina -, foi detetada numa mulher com uma infecão urinária, de 49 anos, na Pensilvânia.

"É um antibiótico velho, mas era o único que restava para tratar este pesadelo", afirmou o diretor dos Centros para o Controlo e a Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, Thomas Frieden, referindo-se à família de bactérias conhecidas como Enterobactérias Resistentes a Carbapenemasas (ERC).

O gene mcr-1, que causa a resistência a antibióticos, também foi encontrado na China e Europa recentemente.

Leia tambémOs 12 vírus mais perigosos do mundo

Leia aindaPorque devo ter cuidado com os antibióticos?

A sua aparição nos Estados Unidos anuncia a existência alarmante de "bactérias totalmente resistentes aos medicamentos", relata um documento publicado na revista Antimicrobial Agents and Chemotherapy da Associação Americana de Microbiologia. "Corremos o risco de nos encontrarmos num mundo pós-antibióticos", comentou Frieden, cita a agência de notícias France Presse.

A colistina apareceu em 1959 para tratar infeções causadas pelas bactérias E. coli, Salmonella e Acinetobacter. Estes micro-organismos podem causar pneumonias ou graves infeções no sangue.

Nos anos 1980, a colistina deixou de ser usada em seres humanos, devido à sua alta toxicidade, mas é um remédio de uso corrente na pecuária. Voltou a ser usada, porém, como tratamento de último recurso em hospitais e clínicas, quando as bactérias começaram a desenvolver resistência aos antibióticos mais modernos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.