Como constatava uma funcionária à Lusa, normalmente depois do segundo toque para a aula da 08:30, a entrada já está vazia, ao contrário de hoje que ainda tinha “bastante gente”.

A presença dos alunos é sinal de que há professores em greve, como corroboraram à Lusa as alunas Inês, Raquel e Sara, que estavam a decidir o que fazer depois de o professor de História ter faltado ao primeiro tempo.

São alunas da cidade, mas não vão embora porque têm Geografia a seguir e não sabem se o professor fará ou não greve. Ao início da manhã ainda não havia dados oficiais sobre a adesão à greve, mas a escola está aberta, até porque há professores que não vão fazer greve.

Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Ver artigo

Outra aluna, Sara Pereira disse à Lusa que um professor lhes contou que “gostava de fazer greve, mas esta sexta-feira era um dia difícil para aderir porque é um período de avaliação”.

A greve foi convocada pelas dez estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, entre as quais as duas federações - Federação Nacional de Educação (FNE) e Federação Nacional dos Professores (Fenprof) - e oito organizações mais pequenas.

A greve arrancou na terça-feira nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira, tendo passado, na quarta-feira, para a região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro). Na quinta-feira, foi a vez da região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco).

A paralisação termina hoje na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.