“A ameaça de uma crise de matérias-primas de vacinação paira sobre o continente. No início do próximo ano, as vacinas covid-19 começarão a circular pelo continente, mas a escassez de seringas poderá empatar o progresso”, disse Matshidiso Moeti, durante uma conferência de imprensa virtual sobre a evolução da pandemia no continente.

Embora ainda não haja carências, alguns países em África, como o Quénia, Ruanda e África do Sul, já sofreram alguns atrasos nos seus abastecimentos, adiantou.

Sem um aumento da produção global destas mercadorias, a escassez seria global, mas o impacto seria sentido principalmente em países de baixo e de médio rendimento, como as nações africanas, de acordo com as previsões da OMS.

Isto afetaria não só o progresso na vacinação contra a covid-19 – comprometendo seriamente o objetivo da ONU de imunizar 70% da população mundial até 2022 -, mas também a inoculação de rotina na infância contra outras doenças, o que poderia ter consequências graves para a saúde a médio prazo.

O alerta global de escassez de seringas também surgiu nas últimas semanas noutras partes do mundo, desde os Estados Unidos até à Índia.

A UNICEF emitiu uma declaração na quarta-feira avisando que, se a produção não for aumentada, perto de 2,2 mil milhões de seringas poderão estar em falta até 2022.

“Esta escassez apenas atingirá o tipo de seringas que são automaticamente bloqueadas para impedir a sua reutilização, como exigido pelas diretrizes da OMS e da UNICEF”, disse a agência da ONU para a infância, na sua mensagem.

“Os países de rendimento baixo e médio – onde tais seringas são cruciais para a segurança – irão suportar o peso desta escassez. Não prevemos escassez significativa no fornecimento de seringas padrão utilizadas em países de alto rendimento”, acrescentou a declaração.

A escassez de seringas resulta principalmente de uma elevada procura e de ruturas nas cadeias de abastecimento internacionais.

Atualmente, apenas 5,58% das pessoas em África estão totalmente vacinadas contra a covid-19.

Dadas as dificuldades de acesso, a OMS estima que apenas 10% das nações africanas atingirão o objetivo de ter pelo menos 40% da população inoculada até ao final deste ano.

No que diz respeito à evolução da pandemia, a maior parte da região já deixou para trás uma terceira vaga grave de contágio, impulsionada pela variante delta e alguns países já estão a ultrapassar a sua quarta curva de infeção importante.

O número total de casos acumulados situa-se em cerca de 8,48 milhões, com cerca de 218.000 mortes.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.