Imagine o leitor que está num jantar entre amigos e que, desde a cozinha, navega o aroma delicioso de um assado. A comida chega à mesa, elogia-lhe o sabor e pede ao anfitrião a receita. Este diz-lhe “pega em 2,5 quilos de carne de Golden Retriever …”. Vai estacar e exclamar, “carne de cão!”. A repulsa é imediata. Na realidade não é carne de cão, antes de vaca e o jantar prossegue. Pairará, contudo, a suspeição sobre a origem do alimento.

Com este exemplo, a norte-americana Melanie Joy, psicóloga social, autora do livro “Porque gostamos de cães, comemos porcos e vestimos vacas”, deu mote, em Lisboa, à apresentação deste seu título.

Alex Atala, chefe de cozinha: “Até quando não vamos querer entender que atrás de um prato de comida existe uma morte?”
Alex Atala, chefe de cozinha: “Até quando não vamos querer entender que atrás de um prato de comida existe uma morte?”
Ver artigo

Melanie, com quem a reportagem do SAPO Lifestyle falou no decurso da iniciativa Veggie World, acrescenta ao léxico da responsabilidade ambiental e social o termo carnismo. Mais do que uma palavra, de acordo com a investigadora social, é todo um sistema e ideologia que suporta as razões culturais que condicionam o consumo ocidental de carne.

Um corpo de crenças que nos leva a eleger, por exemplo, cães e gatos como animais de estimação e vacas e porcos como fonte de alimentação.

Em Lisboa, Melanie Joy deixou a pergunta a um auditório com mais de uma centena de presentes: “O que nos leva a amar tanto os nossos companheiros animais, aos quais chamamos ´de estimação´, retirando um profundo valor humano das relações que estabelecemos com eles, mas, depois, conseguirmos chamar  ´jantar` a outros animais?”.

“Se abolimos a escravatura e repudiamos o sexismo, porque continuamos a comer animais?”
Melanie Joy, a norte-americana que nos alerta para a ideologia oculta, o carnismo. créditos: @Beyond Carnism

Um dos objetivos da autora é expor a crueldade com que os animais são tratados, o impacto que essa crueldade tem nos próprios trabalhadores e as repercussões dessa indústria no meio ambiente.

Pontos que tocamos nesta conversa com a norte-americana, mulher de discurso claro, palavras ponderadas e crente de que a “mudança está a ocorrer, também, de dentro para fora”. Explicando, nas práticas de gestão de algumas das empresas que têm mantido vivos os argumentos para o carnismo.

Melanie, em jeito de primeira aproximação a esta conversa, gostaria de lhe devolver a pergunta que escolheu como título para o seu livro “Porque gostamos de cães, comemos porcos e vestimos vacas”?

Há uma realidade que há muito me intriga e impressiona. Porque consideramos e amamos alguns animais chamando-lhes de “estimação”, enquanto olhamos para outros como alimento. Aliás, atribuindo-lhes valor pelo preço do quilo da sua carne. Não nos importamos de pagar menos mesmo que isso implique sofrimento acrescido para esses animais. No fundo, este título que ilustra o livro nasce como alerta para esta situação e ajudar os leitores a perceberem que uma das mais importantes decisões que tomamos nas nossas vidas é a das escolhas alimentares. Porque é que não fazemos a pergunta inscrita no tema do livro? Herdamos esta prática de ingerir a carne de animais das nossas famílias, da nossa cultura e nunca a questionamos. Comer a carne animal não é uma necessidade é uma opção.

O carnismo é um sistema dominante, invisível, porque institucionalizado e não sujeito a interrogação por parte de milhões de pessoas. Médicos, nutricionistas, governos, indústria, legisladores, família sustentam estas crenças e disseminam o mito de que a carne é essencial à nossa sobrevivência.

Exato, esta é uma questão que vai além do puramente orgânico. A Melanie refere que comemos carne porque fundámos as nossas sociedades num conjunto de crenças que sustentam esse consumo. Que crenças são estas e quem as mantém atualmente?

O carnismo é um sistema dominante, invisível, porque institucionalizado e não sujeito a interrogação por parte de milhões de pessoas. Médicos, nutricionistas, governos, indústria, legisladores, família sustentam estas crenças e disseminam o mito de que a carne é essencial à nossa sobrevivência. Pessoas sensíveis e bondosas estão envolvidas neste sistema precisamente porque está tão fundado nas nossas crenças, comportamentos, leis que não o vemos. Neste sentido é uma violência social e psicológica.

“Se abolimos a escravatura e repudiamos o sexismo, porque continuamos a comer animais?”
créditos: @Beyond Carnism

O que nos impede de olhar para certos animais, como o porco e a galinha, como seres sencientes, dotados de consciência, vendo-os antes como ´coisas´ disponíveis para o nosso prato?

Uma das razões de base é o contacto e a empatia que geramos com um porco e com um cão. Olhamos para o porco como um animal sujo e ´humanizamos´ o cão. Em boa verdade, estudos advogam que um porco é mais inteligente do que um cão. E há relatividade em tudo isto. Um Hindu terá uma reação semelhante ao consumo de carne de vaca, àquela que no ocidente temos à carne de cão. Como referi anteriormente, está tão enraizado nas nossas culturas que é ´natural` e aceitável comermos carne de vaca, “porque é um animal comestível”, como se diz, e sentirmos repulsa em comer o amigo cão. Não se estabelece a ligação entre a carne que estamos a ingerir e a sua origem, o animal que foi sacrificado.

Alimentação: A dieta que pode ajudar a salvar o planeta
Alimentação: A dieta que pode ajudar a salvar o planeta
Ver artigo

Melanie, podemos olhar para o carnismo como uma opção de vida nos antípodas do veganismo, ou há território intermédio?

Os princípios do veganismo são universais, não apenas relacionados com uma opção alimentar, mas também com o ambiente e a saúde do planeta. Repare, no fundo há muitas pessoas que já seguem estes princípios sem se considerarem o serem veganas. Eu encorajo as pessoas a serem o mais veganistas possíveis e a refletirem sobre as causas do carnismo. Em cada refeição questionarem a origem do que lhes chega ao prato.

Este é um livro que procura consciencializar os consumidores para os perigos do carnismo e conseguirem sair do sistema. Por outro lado, é uma ferramenta para que os veganos tenham fundamentos para explicar, aos demais, as bases do seu estilo de vida.

“Se abolimos a escravatura e repudiamos o sexismo, porque continuamos a comer animais?”
créditos: @Beyond Carnism

A Melanie fala do carnismo como uma Ideologia. Em sentido restrito, esta pode ser encarada como o poder de alguns imporem as suas ideias sobre os restantes. É disto mesmo que se trata?

No passado, tivemos outras ideologias polémicas, como a escravatura e o sexismo. Hoje ou as abolimos ou olhamos com total desaprovação para elas. Ou seja, houve uma evolução positiva. Atualmente, vivemos numa sociedade onde a produção de carne se tornou institucionalizada. Historicamente, os ancestrais dos atuais seres humanos tinham uma dieta de base vegetal, introduzindo uma pequena quantidade de carne. A massificação do consumo de carne, a uma escala industrial, começou no século XIX. Baseia-se na premissa de que os seres humanos precisam da carne para sobreviver. E acabámos por criar justificações para que isso aconteça. Três delas, “comer animais é normal, necessário e natural”. Leva-nos ao início desta resposta. A escravatura e o domínio masculino também assentaram nestas premissas durante muitos anos.

A ideia de que os nossos cérebros evoluíram devido ao consumo de carne não é sustentada pelos estudos de muitos investigadores. Ou seja, a nossa espécie evoluiu quando desenvolveu estratégias de caça, ao diversificarmos os hábitos alimentares.

Numa perspetiva da evolução humana e na abordagem de alguns antropólogos, só estamos aqui a ter esta conversa porque, no passado, os nossos cérebros se “alimentaram” de carne. É uma falsa questão?

Esta ideia de que os nossos cérebros evoluíram devido ao consumo de carne não é sustentada pelos estudos de muitos investigadores. Ou seja, a nossa espécie evoluiu quando desenvolveu estratégias de caça, ao diversificarmos os hábitos alimentares. Aliás, sabemos hoje que comer animais cria problemas fisiológicos. Por seu turno, a proteína vegetal é limpa para o corpo humano.

“Se abolimos a escravatura e repudiamos o sexismo, porque continuamos a comer animais?”
créditos: @Beyond Carnism

A Melanie aborda o carnismo como um movimento quase oculto. Isto não obstante quase todos nele nos incluirmos. Como chegamos a este cenário?

No ano passado foram abatidos dez mil milhões de animais para consumo humano. Quantos destes animais vimos? A sua criação, transporte e abate são feitos longe do nosso olhar. O carnismo mantém as suas vítimas, longe das nossas consciências. Quando me refiro a vítimas não falo apenas dos animais, mas de todos os que entram no processo de abate. Os matadouros são indústrias escondidas, o que ajuda à negação.

A Melanie também não poupa alguns defensores dos animais, protegem os cães, mas não se importam de comer o borrego. Gostaria que comentasse.

É muito comum. O carnismo revela isso mesmo. Muitas pessoas defendem os animais domésticos mas não têm atitude análoga face aos considerados aptos para o abate. É um sistema irracional.

O consumo de carne vai muito além da maldade que cometemos sobre os animais. Há um peso ambiental global. Gostaria que a Melanie aprofundasse.

Sim e assistimos a um debate cada vez mais profundo e alargado sobre esse impacto ambiental. As Nações Unidas estão a abordar o tema. As práticas agrícolas associadas à alimentação dos animais causam mais emissões de gases nocivos à atmosfera do que a combinação do restante transporte à escala global.

“Se abolimos a escravatura e repudiamos o sexismo, porque continuamos a comer animais?”
créditos: @Beyond Carnism

Esta também é uma questão política. Não é hipócrita falarmos de um mundo mais verde, mostrarmos empenho nesse sentido e, paralelamente, alimentarmos uma indústria multimilionária como a da carne?

O movimento contrário ao carnismo está a evoluir mais depressa do que eu considerava. Há muitas pessoas a trabalhar na indústria, na política, na proteção ambiental que estão a acordar para o carnismo e a ajudar a mudar de dentro para fora. Para essas pessoas não foi a realidade que mudou, o que se alterou é a forma como olham para essa mesma realidade. Muitas indústrias estão a começar a produzir alternativas. Por exemplo, no caso da indústria do leite, o aparecimento das opções vegetais. Não são indústrias interessadas em matar animais, mas sim a criar alimentos que as pessoas gostem e sejam viáveis para a sustentabilidade do negócio.

O movimento contrário ao carnismo está a evoluir mais depressa do que eu considerava. Há muitas pessoas a trabalhar na indústria, na política, na proteção ambiental que estão a acordar para o carnismo e a ajudar a mudar de dentro para fora.

Sim, mas esta mudança decorre de uma real consciência sobre a necessidade de um novo paradigma, ou porque há a perceção de perda de negócio?

As duas coisas. Algumas empresas estão de facto empenhadas em mudar, porque os decisores estão, de facto, incomodados com o que têm vindo a fazer. Outras empresas fazem-no porque perceberam que o veganismo não é uma moda, mas uma forma de mudança nas sociedades. Têm de encontrar outra forma de produzir, sem recorrerem ao sofrimento dos animais.

Há subtilezas na forma como aliviamos a consciência pública para o sofrimento animal. Por exemplo, afirmar que a galinha que estamos a comer teve uma vida ao ar livre. É hipocrisia Melanie?

Uma nova forma de carnismo está a emergir. Os animais são supostamente bem tratados em vida, mas o resultado final é o mesmo, são mortos. Estes animais não tiveram uma vida feliz. Por exemplo, as vacas são obrigadas a emprenhar para produzirem leite. Os vitelos são-lhes retirados.

Tudo isto que nos trouxe nesta conversa até aqui também se prende com uma questão, a da nossa saúde. De que forma?

Dou-lhe o meu exemplo. Até à minha juventude ingeria carne. Certo dia adoeci após comer um hambúrguer. E não mais levei carne ao prato. Quando me tornei vegan nos anos de 1980, a minha mãe estranhou. Agora tenho 52 anos, a minha mãe está na casa dos 70 e começou a praticar uma alimentação vegan para defender a sua saúde. Muitas pessoas nos Estados Unidos estão a seguir este mesmo caminho. Hoje muitas pessoas percebem que não irão adoecer ou morrer se seguirem uma dieta vegan. Antes pelo contrário.

Aliás, um número crescente de estudos científicos demonstra como temos de abraçar uma alimentação vegan, deixar o consumo de carne animal.

Melanie Joy formou-se em Psicologia e Sociologia na Universidade de Massachusetts, em Boston. Em 2013 recebeu prémio Ahimsa (Não-violência) do Instituto de Jainologia, juntando-se ao Dalai Lama e a Nelson Mandela nesta distinção. É ainda fundadora e presidente da associação Beyond Carnism, cofundadora da ProVeg International e codiretora do Center for Effective Vegan Advocacy (CEVA).

A Melanie viaja um pouco por todo o mundo, pode dar-nos alguns exemplos da questão anterior em diferentes realidades?

Na Índia, os consumidores de carne estão a aumentar. Isto porque o carnismo está a ser exportado. Começam, naquele país asiático, a surgir doenças comuns no Ocidente, assim como impactos nefastos no ambiente. Estive recentemente na Índia e já há a perceção do problema.

Na china temos mais de mil milhões de pessoas. O impacto ambiental da produção animal e no corpo humano é enorme e muito perigoso. Vejo como positivo o facto de organizações não governamentais estarem a trabalhar no terreno. O governo chinês também parece empenhado em reduzir o consumo de carne.

Entrevista conduzida por Maria Rebelo Costa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.