O país do Golfo, sede do Campeonato do Mundo de Futebol de 2022, garantiu que todos serão recebidos sem discriminação durante o torneio, apesar das críticas das organizações de direitos humanos pela criminalização da homossexualidade.

"Campanhas de inspeção em lojas de diferentes regiões do Qatar levaram à apreensão de brinquedos infantis contrários aos valores islâmicos", anunciou no Twitter o ministério do Comércio e Indústria.

O ministério publicou uma foto que mostra os brinquedos com as cores do arco-íris, alguns deles similares à bandeira LGBT. "O ministério pede a todos os cidadãos e moradores que revelem qualquer mercadoria com logos ou desenhos contrários às tradições", afirmou a agência estatal de notícia QNA.

As autoridades não responderam aos pedidos de comentários da AFP.

Desde a sua designação em 2010 como sede do Campeonato do Mundo de Futebol de 2022, o Qatar é acusado por organizações de defesa dos direitos humanos pelas condições de trabalho na construção dos estádios e pela situação das minorias sexuais.

A FIFA afirmou na semana passada que todos os eventos organizados pela entidade devem ser "inclusivos".

"As pessoas devem ter liberdade para exibir todo tipo de bandeira que desejarem sem discriminação, e isso inclui a bandeira do arco-íris", disse a secretária-geral da Fifa, Fatma Samoura.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.