Em causa estão duas turmas e cerca de 20 alunos, divididos por uma turma de Vocacional e uma outra de PIEF, num programa de inserção e integração social do Ministério da Educação, e o facto de a direção do agrupamento ter decidido que neste ano letivo a turma PIEF devia funcionar num estabelecimento exterior à escola.

Em declarações à agência Lusa, a vereadora da Educação e Ação Social, Celeste Simão, disse ter votado "contra a medida" por entender que "os alunos PIEF são alunos PIEF porque algo no seu percurso já falhou, esta é a última linha para eles, pode ser uma última oportunidade e necessitam de ser incluídos”.

“Retirando-os do seu meio escolar, estamos a falar de discriminação", defendeu.

Os alunos PIEF vão ter aulas a partir desta semana numa zona residencial da Encosta da Barata, em instalações cedidas pela União de Freguesias de Abrantes, e vão almoçar no refeitório de um lar do Centro Social Interparoquial, longe da escola sede.

"Durante o meu percurso profissional lecionei turmas PIEF, fui coordenadora de vários PIEF em vários concelhos. Houve casos de sucesso e casos de insucesso, tal como no ensino regular. Mas sou completamente a favor da inclusão destes alunos no espaço escolar com os seus colegas e beneficiando das atividades que a escola promove", vincou Celeste Simão.

Contactado pela Lusa, o diretor do agrupamento, Alcino Hermínio, disse que "a medida foi debatida e aprovada em sede de Conselho Geral e não foi imposta", visando "o melhor para todos os alunos" integrados em PIEF, cuja idade máxima é 18 anos.

O responsável referiu que o programa PIEF tem sempre funcionado dentro da escola “mas não é inédito, a nível nacional, funcionar fora da escola".

Estes alunos, sublinhou, "estão numa medida que é de último recurso, pelo seu passado complicado, e que os impede de estar em turmas regulares".

Alcino Hermínio afirmou ainda que este é um projeto novo, que inclui um protocolo com a escola de bombeiros de Abrantes, e uma aposta na qual o agrupamento deposita expectativas muito positivas.

Sobre as acusações de "discriminação" da vereadora da Educação, o responsável declarou "respeitar mas não comentar", reiterando que "estas medidas são a bem de todos os alunos".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.