Em todo o mundo, à medida que a tecnologia se expande e avança, o mesmo acontece com o nosso vício nos nossos dispositivos.

Junte-se ao cineasta Jon Hyatt e à sua família numa viagem que explora os efeitos do vício do ecrã, a forma como a indústria tecnológica viciou os consumidores globais, e o seu impacto nas nossas vidas.

A partir de smartphones, tablets portáteis e redes sociais, a indústria tecnológica concebeu tecnologias divertidas e imersivas que mudaram a forma como comunicamos e interagimos uns com os outros - mas será que estes dispositivos são bons para nós? Seremos demasiado dependentes? O que é que nos mantém viciados e como é que isso afeta as nossas crianças e o mundo em geral?

"Tempo de Ecrã" é um documentário que aborda as consequências arrepiantes causadas pelo tempo em excesso que passamos em frente a ecrãs (de telemóveis, tablets, computadores etc). Através de conversas com crianças, pais e peritos, o realizador Jon Hyatt avalia as consequências desta sobre-exposição.

O documentário vai ser exibido na TVCine Emotion, domingo, 17 de outubro, às 11h00 (com repetição na quinta-feira, 21 de outubro, às 06h05).

Tempo de Ecrã
Tempo de Ecrã, documentário créditos: TVCine Emotion

"Adotei a tecnologia quando era muito jovem. Crescendo numa família com conhecimentos tecnológicos, os meus pais compraram-nos alguns dos primeiros computadores pessoais. Os meus irmãos e eu passámos horas de volta deles e estávamos sempre curiosos sobre o próximo passo que a tecnologia estava a dar", revela Jon Hyatt, Realizador.

"Nos anos 2000, nasceram as redes sociais e os nossos dispositivos pessoais tornaram-se uma extensão de nós próprios. Eu tinha o melhor telefone e estava tão entusiasmado por me ligar às pessoas, partilhar as minhas experiências pessoais com outras pessoas em todo o mundo. Uma década mais tarde e eu dependia do meu aparelho e das minhas plataformas 24 horas por dia, 7 dias por semana, e de um mundo onde as crianças ficam coladas aos ecrãs numa idade precoce".

"Em casa, na escola, no trabalho ou nas férias, estávamos sempre colados aos nossos ecrãs. Os pais nos seus dispositivos e, por sua vez, as suas crianças e adolescentes, o que mudava completamente a dinâmica familiar, que se tornava exponencialmente mais desconectada na vida real. Isso obrigou-me finalmente a refletir, a olhar para os meus próprios hábitos com o meu smartphone e a perceber que eu não era melhor. Fui totalmente escravizado ao meu telefone, passando horas em plataformas. E os meus filhos repararam em tudo. Desconectar parecia impossível".

"Quando alguns corajosos denunciantes no espaço das redes sociais confirmaram que estas enormes empresas tecnológicas estavam a fazer produtos conscientemente viciantes, que eram engenharia social para nos viciarmos nos nossos dispositivos - isto não era um problema ds Millennials. Todos nós somos viciados em tecnologia e foi assim mesmo de propósito".

"Ao fazer este filme, viajei extensivamente e encontrei-me com muitos insiders de Silicon Valley, cientistas comportamentais, clínicos de reabilitação, pacientes, pediatras e psicólogos infantis, pais e grupos de defesa. No filme Tempo de Ecrã, o nosso objetivo é informar e capacitar o público em geral e as famílias em todo o lado para que façam escolhas saudáveis para as nossas comunidades", conclui.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.