O filme, uma história inspirada na adolescência da realizadora espanhola, rodado em Saragoça, obteve ainda o prémio de estreia na realização, para Pilar Palomero, que também conquistou o prémio de Melhor Argumento Original.

“Las niñas” era o filme favorito na corrida aos prémios da gala mais importante do cinema espanhol, com nove nomeações, tendo conquistado ainda o prémio de melhor fotografia, uma categoria técnica atribuída pela primeira vez a uma mulher, a boliviana Daniela Cajías.

A cantora Rozalén venceu na categoria de Melhor Canção Original, com o título “Que no, que no”, do filme “La boda de Rosa”, realizado pela atriz e realizadora espanhola Icíar Bollaín.

As vencedoras do prémio na categoria de Melhor Música Original foram Aránzazu Calleja e Maite Arroitajauregi, no filme “Akelarre”, do realizador argentino Pablo Agüero, um drama histórico passado no País Basco, em 1609, com uma leitura feminista da caça às bruxas.

O primeiro prémio da noite, o de Melhor Vestuário, foi atribuído a outra mulher, Nerea Torrijos, pelo seu trabalho em “Akelarre”, uma categoria na qual concorriam quatro mulheres.

“Akelarre” obteve ainda o Goya para Melhores Efeitos Especiais, premiando Ana Rubio e Mariano García Marty.

“Adú”, uma história sobre imigração, do realizador Salvador Calvo, obteve o prémio para Melhor Realização, enquanto “Ane”, de David Pérez Sañudo, venceu na categoria de Melhor Argumento Adaptado.

O prémio de Melhor Atriz foi para Patricia López Arnaiz, por “Ane”, e o de melhor secundária para Nathalie Poza, por “La boda de Rosa”.

Mario Casas conquistou o prémio de Melhor Ator, por “No matarás”, de David Victori, enquanto o prémio de Melhor Ator Secundário foi para Alberto San Juan, pelo papel em “Sentimental”, do realizador catalão Cesc Gay.

O prémio de Melhor Filme Ibero-Americano foi para “El olvido que seremos” (Colômbia), do realizador espanhol Fernando Trueba.

“The Father”, de Florian Zeller, uma coprodução franco-britãnica, com Anthony Hopkins e Olivia Colman, venceu o prémio de Melhor Filme Europeu.

A 35.ª edição dos prémios Goya não contou com portugueses entre os nomeados. O filme “Mosquito”, de João Nuno Pinto, tinha sido candidato a uma nomeação na categoria de Melhor Filme Ibero-Americano, enquanto ‘Vitalina Varela’, de Pedro Costa, concorreu na categoria de Melhor Filme Europeu, mas nenhum dos dois chegou às nomeações finais.

A gala de entrega dos prémios do cinema espanhol decorreu no sábado, numa cerimónia apresentada pelo ator Antonio Banderas e por Maria Casado, presidente da Academia das Ciências e das Artes de Televisão, em que apenas marcaram presença os nomeados e os responsáveis pela entrega dos prémios Goya.

A 35.ª edição dos prémios do cinema espanhol contou ainda com mensagens de várias estrelas do cinema internacional, como as atrizes Monica Bellucci, Julianne Moore e Laura Dern, além de Robert de Niro, Tom Cruise, Benicio del Toro e Mel Gibson.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.