Ângelo Rodrigues lutava pela vida há um ano. "Foi por uma questão de minutos que ele não morreu", confirmou ao Modern Life/SAPO Lifestyle uma fonte próxima do artista. O ator e cantor portuense de 32 anos foi internado de urgência no Hospital Garcia de Horta, em Almada, em estado grave, com uma sépsis causada pela infiltração de substâncias anabolizantes, alegadamente adquiridas no Brasil, na nádega esquerda. Horas depois, era colocado em coma induzido. Permaneceria assim durante quatro dias.

Ângelo Rodrigues continua com prognóstico reservado. "Se ele sobreviver, não vai gostar do que vai ver"
Ângelo Rodrigues continua com prognóstico reservado. "Se ele sobreviver, não vai gostar do que vai ver"
Ver artigo

"Estava num estado lastimável", garante a mesma fonte. As três intervenções cirúrgicas a que o rosto da SIC foi submetido nos dias seguintes deixaram-lhe muitas marcas. "Abriram-lhe uma série de buracos no corpo para retirar os tecidos necrosados. Se ele sobreviver, não vai gostar do que vai ver quando se olhar ao espelho", lamentou, na altura, ao Modern Life/SAPO Lifestyle fonte próxima do artista, que concluiu, há precisamente uma semana, as gravações do documentário que narra o moroso processo de recuperação que se arrasta há mais de 10 meses. "Ele tem fotografias dos buracos que teve na perna", revela um colega.

"Nalgumas delas, até se consegue ver o osso, mas, essas fotos, não as vai exibir no documentário. São demasiado fortes", garantiu fonte próxima de Ângelo Rodrigues ao Modern Life/SAPO Lifestyle. "Pelo que me contam, faz um ano em que adormeci por quatro dias. Quando acordei, não tinha um príncipe a beijar-me os lábios nem uma velhota de verruga na cara e maçã reluzente na mão. Tinha enfermeiras, auxiliares e entes próximos", recordou o ator numa publicação nas redes sociais nas últimas horas.

"Na altura, uma das primeiras coisas que perguntou aos médicos que o seguiam, foi se iria voltar a andar e a correr. Disseram-lhe que voltaria a andar mas não garantiam que voltasse a correr. Hoje, felizmente, já faz as duas coisas", garante a mesma fonte. "A sorte dele foi, além da idade, a compleição física, porque ele sempre praticou muito desporto, assim como os tratamentos na câmara hiperbárica que fez no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, que aceleraram muito a cicatrização", revela fonte da SIC.

Ângelo Rodrigues, nascido no Porto, a 9 de setembro de 1987, estreou-se nos ecrãs da televisão portuguesa com uma participação na telenovela "Doce fugitiva", exibida pela TVI entre outubro de 2006 e setembro de 2007 e reexibida entre fevereiro de 2013 e junho de 2014, mas foi na quinta temporada da série "Morangos com açúcar", em antena entre 17 de setembro de 2007 e 18 de junho de 2008, que ganhou fama e mediatismo. As viagens são, a par da música, da representação e da escrita, uma das paixões do artista.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.