Encontrar a paz. Sair da rotina. Limpar o cérebro. Ouvir a mente. Estas são apenas algumas das razões apontadas por quem decide passar as férias num retiro a praticar meditação e ioga, longe do rebuliço das cidades, das praias mais concorridas ou dos monumentos mais afamados. O chamado turismo de bem-estar, onde os retiros se incluem, está a crescer um pouco por todo o mundo e representa já 14% dos gastos no setor do turismo.

As transações que movimenta equivalem a 2,9 milhões de biliões de euros por ano, de acordo com o relatório de 2013 do Global Wellness Tourism. Há hotéis que se especializaram neste segmento e mosteiros que abrem as suas portas. Há locais despojados de todas as mordomias, há outros em que nada falta, sem que se perca a parte espiritual nem ter que se renunciar ao conforto a que estamos habituados.

Segundo o mesmo relatório, em 2013, realizaram-se 586,5 milhões de viagens de bem-estar, números que traduzem bem o interesse crescente neste setor por turistas vindos dos quatro cantos do mundo. Portugal não é exceção nesta tendência e, atenta a esse facto, Berny Serrão, ex-personal stylist, decidiu mudar de vida e transformou a sua casa de férias numa unidade de turismo rural.

Esta empreendedora investiu num projeto muito vocacionado para o bem-estar, uma forma de estar que aprendeu no oriente onde viveu vários anos. «Foi lá que percebi que não é uma tendência, mas uma forma de vida», reconhece hoje a emprendedora. «Quis criar um conceito onde pudesse partilhar hábitos saudáveis de manter o equilíbrio, pois hoje em dia vivemos uma vida demasiado agitada com muito pouco tempo para parar e estar», explica.

Situado em pleno Alentejo, às portas de São Teotónio, em Odemira, o Paraíso Escondido é uma propriedade de oito hectares. Um verdadeiro convite ao descanso, assim que se entra pelo portão e se percorre uma estrada apertada em terra batida, com os eucaliptos a predominarem na paisagem, e até se chegar à casa principal, de traça alentejana, no cimo de um monte. Aqui a banda sonora é inteiramente da responsabilidade da natureza, o que ajuda a desligar e a deixar tudo para trás.

Paraíso escondido à mão de semear

«O nosso conceito é partilhar experiências, tudo ligado à harmonia (corpo, mente e espírito). Não queremos impor, simplesmente partilhar formas saudáveis de manter o corpo e a mente num equilíbrio saudável», explica a proprietária. E isso começa, por exemplo, na alimentação. Antes da hora das refeições é possível ver Berny a apanhar da sua pequena horta biológica os vegetais e as ervas aromáticas que pouco depois estarão à mesa.

A ideia é que o Paraíso Perdido seja «um retiro e proporcione a oportunidade a todos de se aprenderem a ligar ao seu eu interior». A meditação é uma das formas de o conseguir e será perfeitamente acessível a todos. «Quando falo com algumas pessoas sobre meditação, muitas dizem que gostavam de fazer, mas não conseguem desligar. No entanto, meditar não é desligar, é olhar e, para isso, existem técnicas alternativas, como a ligação com a natureza de parar e observar», diz.

«A pintura é, também, uma boa forma de meditação e ligação ao nosso eu interior, por isso, criámos workshops, onde os nossos hóspedes podem aprender estas técnicas de modo a conseguirem meditar», esclarece Berny. No Paraíso Perdido, são também organizados workshops de ioga, os primeiros foram com Bruno Reis, yoga personal trainer. Preços a partir de 100 € por noite com pequeno-almoço.

Meditar no Alentejo

Sabia que o segundo maior centro budista da Europa, de seu nome Tubten Pantsok Gephel Ling, situa-se no Alentejo, mais precisamente no concelho de Alcácer do Sal? Este é o local ideal para quem quer fazer um retiro pessoal, em família ou com amigos, e pode escolher entre retiros de meditação, budistas ou de ioga. Este centro segue os valores e a tradição espiritual do Budismo Vajrayana, mas não é preciso ser budista para participar.

Veja na página seguinte: Viagens zen… lá fora!

Da meditação ao reiki

No Monte Mariposa, nas redondezas de Tavira, no Algarve, existem vários tipos de retiro, desde meditação a reiki, passando também por ioga. Este é um espaço em verdadeira comunhão com a natureza, com piscina e vários tipos de alojamento, pode optar ficar em cabanas de madeira, yurts (tenda típica da Mongólia) e tipis (tendas dos índios norte-americanos). No Monte Mariposa, há ainda uma grande preocupação com a alimentação, que se cinge a uma dieta vegetariana.

Viagens zen… lá fora!

Outras opções a ter em conta:

- Mindfulness em Bordéus

O mosteiro Plum Village, em França, é um dos locais mais emblemáticos na Europa para quem quer fazer um retiro. Um dos mais conhecidos é o Summer Opening, que dura quatro semanas e que em média tem cerca de 500 participantes por semana, vindos de todos os cantos do mundo. Este centro de mindfulness, localizado perto de Bordéus, tem programas para adultos, crianças e adolescentes. Há alojamento em camaratas, quartos duplos ou campismo.

- Ibiza serena

A maior das ilhas Baleares é conhecida pelas festas mas, no Vale de San Lourenzo, há um espaço para outro tipo de viagens, bem mais calmas. Na Villa Can Amonita, uma casa típica da ilha com recantos orientais, os turistas podem fazer retiros de mindfulness e de ioga. Mas há mais... Os hóspedes podem ter aulas de desenho, de cerâmica e de cozinha. Preços a partir de 1.045 €.

- Retiro com o Dalai Lama

Dharamsala, na Índia, é um dos pontos de encontro dos tibetanos exilados, muito procurada por peregrinos, por ser possível conviver com Dalai Lama. Estes retiros incluem a prática de mindfulness, discussões e caminhadas pela floresta, no sopé dos Himalaias. Todas as atividades são uma autêntica imersão na cultura tibetana. Este centro organiza também viagens ao Butão, Sri Lanka, Nepal e Índia.

Veja na página seguinte: Retiros em castelos e em hotéis com vista para o mar

- Zen no campo italiano

Uma quinta centenária às portas de Assis, em Itália, oferece retiros muito exclusivos de seis dias para grupos de sete pessoas, embora quem o prefira também possa fazer um programa individual. A manhã é dedicada à meditação, mas a tarde é livre para aproveitar o que este lugar tem de especial. Há a possibilidade de se fazer o caminho dos peregrinos que liga a quinta à cidade e à sua emblemática basílica, fazer massagens ou apenas contemplar a natureza. O dia acaba, invariavelmente, com outra meditação.

- Retiro boho

Um castelo francês de estilo boho oferece retiros de ioga e de meditação para apenas oito pessoas, no Sul de França. Além da parte mais espiritual, os proprietários do Yobaba Love possibilitam uma imersão na cultura local. A gastronomia é um dos pontos importantes destes retiros e os menus apresentados seguem a linha gourmet saudável, onde predominam os alimentos crus e a ausência de açúcar. Preços a partir de 1.720 €, valor que inclui alimentação e alojamento.

- Com vista para o mar

The Pomegranate, na Turquia, é um boutique hotel orientado para retiros de ioga e meditação. Rodeado por jardins e com vista para o Mediterrâneo, neste espaço tudo foi feito a pensar no bem-estar, desde os materiais usados na decoração, à comida servida, maioritariamente, vegetariana. Para além da meditação e ioga, a localização do hotel permite fazer vários trilhos e, apenas a 15 minutos da unidade hoteleira, podem encontrar-se praias muito tranquilas.

Texto: Rita Caetano

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.