Nos últimos anos, a moda desfilou nos grandes museus do mundo. Em várias cidades, abriram mesmo vários dedicados a este tema, elevando o vestuário e os acessórios ao patamar de obras de arte. Por cá, em Lisboa, temos o MUDE. O Museu do Design e da Moda, de entrada gratuita, tornou-se já numa referência. Ainda assim, não consegue ter a dinâmica de os de outras metrópoles mundiais. Fomos à procura das exposições que não vai querer perder entre o fim de 2014 e os primeiros meses de 2015.

- O futuro da moda é agora

Prepare-se para entrar numa autêntica viagem pelo que de mais inovador se faz no mundo da moda. Intitulada «The Future of Fashion is Now», esta mostra apresenta trabalhos de alguns designers, incluindo os quais os holandeses Viktor&Rolf, a coreana Rejina Pyo e o cipriota Hussein Chalayan, mas também dá especial destaque ao papel da roupa na sociedade. Seis novos designers desenharam peças propositadamente para esta exposição. Esta mostra está patente no Museu Boijmans Van Beuningen, em Roterdão, na Holanda, até 18 de janeiro de 2015. Os bilhetes variam entre os 7,50 € e os 15 €.

- Saltos altos surpreendentes

«Killer Heels» é o nome da exposição que explora um dos mais provocantes acessórios de moda, os saltos altos, que para uns representam um fetiche, para outros um instrumento de poder ou uma elevada expressão artística. Estão patentes sapatos de plataforma, com vários tamanhos de saltos e, claro, os elegantes stiletti de nomes grandes do calçado e da moda como Manolo Blahnik, Chanel, Salvatore Ferragamo, Zaha Hadid X United Nude e Iris van Herpen X United Nude.

Mas não só. A vasta lista inclui ainda criações emblemáticas de outros nomes de referência, como é o caso de Christian Louboutin, Alexander McQueen, André Perugia, Prada, Elsa Schiaparelli, Noritaka Tatehana, Vivienne Westwood e Pietro Yantorny. Esta exposição pode ser vista no Museu de Brooklyn, em Nova Iorque, nos EUA, até 15 de fevereiro de 2015. Os preços variam entre os 7 € (> 62 anos e estudantes) e os 12 € (dos 19 aos 61 anos).

- Pés em equilíbrio

A exposição «Equilibrium» faz parte de uma das premissas de Salvatore Ferragamo. A de criar sapatos cómodos que façam as pessoas felizes. Para o conseguir, o designer italiano estudou a anatomia do pé como nenhum outro no mundo da moda e este é o ponto de partida para essa mostra, que aponta a ligação entre esse estudo exaustivo com o mundo da ciência, dança, arte, arquitetura e arqueologia.

Como não poderia deixar de ser, estão patentes sapatos da marca, mas há também obras de arte vindas de museus de todo o mundo e de autores, como Rodin, Matisse, Picasso, Lipchitz, Severini, Klee, Calder, Bill Viola, Kandinsky, Fausto Melotti, Albrecht Dürer e Giulio Paolini. Uma exposição que junta a moda a outros tipos de arte. No Museu Salvador Ferragamo, em Florença, em Itália, está patente ao público até 12 de abril de 2015. O preço é de 6 € (dos 11 aos 64 anos).

- Original ou falso?

Nos últimos anos, as diferenças entre as peças genuínas e as imitações têm vindo a esbater-se graças ao exponencial crescimento e grau de sofisticação da indústria de contrafação. Este é o mote para a mostra «Faking It: Originals, Copies, and Counterfeits», que começa com dois vestidos Chanel, um original e outro uma cópia autorizada. Os visitantes são levados a descobrir as diferenças com a ajuda de um vídeo que compara todo os pormenores do fato, mas há muito mais para ver, pois as peças mais antigas expostas datam do ano de 1903. No Museu do Fashion Insitute Of Technology, em Nova Iorque, nos EUA, pode ser vista de 2 de dezembro de 2014 até 25 de abril de 2015. A entrada é livre.

- Tecido japonês

Os têxteis remendados, que até aos anos da década de 1970 eram usados diariamente no vestuário de pescadores, agricultores e madeireiros nipónicos, chamados boro, estão de novo na moda e encontram-se em destaque no MUDE, Museu do Design e da Moda, em Lisboa, comprovando que a moda é cíclica. «Boro - Um tecido de vida» apresenta 54 peças (quimonos, bolsas e tatamis) e mostra como esta técnica reflete uma necessidade de improvisar, de reutilizar e uma preocupação com a preservação dos recursos materiais que, esteticamente, apresentam uma linguagem visual moderna e inovadora. Esta mostra pode ser vista até 8 de fevereiro de 2015. A entrada é livre.

Museus que estão na… moda!

Veja na página seguinte: Exposições que estreiam em 2015

- O verdadeiro Made in China

Mais de 100 peças de alta costura e de vestuário de pronto a vestir mostram a influência que a cultura chinesa tem tido ao longo dos anos na moda ocidental. Dos trajes típicos à pintura chinesa, das porcelanas ao cinema chinês, tudo tem inspirado vários estilistas, entre os quais Yves Saint Laurent, Galliano e Paul Poiret, como demonstra a exposição «Chinese Whispers: Tales of the East in Art, Film and Fashion». Esta mostra vai estar patente no The Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, nos EUA, de 7 de maio a 16 de agosto de 2015. Os preços variam entre os 19,00€ (adultos), os 13,00€ ( > 65 anos) e os 9,50€ (estudantes).

- Retrospetiva de Alexander McQueen

Esta será a primeira grande exposição sobre a obra do emblemático designer britânico que continua a ser considerado um dos mais inovadores criadores de moda dos tempos mais recentes, apesar de já ter morrido há quase cinco anos. «Alexander McQueen: Savage Beauty», assim se intitula a exposição, vai fazer sonhar todas as mulheres que desejam vestir um vestido da marca. A retrospetiva é feita em parceria com a marca de acessórios Swarovski, uma presença constante nos desfiles do criador. Inaugura no Museu Victoria & Albert, em Londres, Inglaterra, a 14 de março de 2015, terminando a 19 de junho. Preços a partir de 22,30 €.

Texto: Rita Caetano