Um jardim sem o chilrear dos pássaros não é um jardim que se preze nem que se goze a 100%. Por não perceber nada de pássaros, eles eram apenas um simpático pano de fundo que eu não sabia distinguir nem identificar, resolvi, há uns anos, frequentar um workshop sobre aves, para ver se conseguia saber quais as espécies que se avistavam no meu jardim. Munida de alguma teoria, de um par de binóculos e um de um guia das aves, resolvi pôr-me à prova.

Desde essa altura, passei a dedicar uma parte do meu tempo à observação dos pássaros, bird watching em inglês. E ser bird watcher não é nada fácil, garanto-vos. Mas vale a pena, asseguro-vos. Começa por ser muito difícil localizar com o binóculo um pássaro que avistamos a olho nu. Requer uma técnica que se demora algum tempo a dominar.

Os pássaros são muito rápidos e esquivos, ao mínimo movimento, sombra ou ruído, fogem. Para os observar é necessária uma grande dose de paciência e uma enorme capacidade de imobilização. Finalmente, quando pensamos que temos um determinado exemplar bem analisado, recorremos ao guia para identificá-lo e, aí, novo problema.

Verificamos que há uns 10 ou 20 muito similares. Só com o tempo e muita observação, conseguimos inventariar os nossos habitantes ou visitantes. Seguindo várias indicações entretanto aprendidas, decidi tornar o jardim mais atrativo para a população aviária residente e coloquei dispensadores de comida e casas-ninho que tenho nas árvores.

O número de pássaros aumentou consideravelmente e, sobretudo, passou a haver uma muito maior diversificação das espécies avistadas. Às rolas, aos melros e aos pardais já habituais, juntaram-se, num ápice, poupas, felosas, alvéolas, chapins. Há trepadeiras e ouvem-se pica-paus. À noite, há concertos de mochos. Passou a ser uma animação...

Bird watching. E se tirasse uns minutos para observar os pássaros do seu jardim?

A dada altura, a minha mais recente descoberta foi uma família de escrevedeiras, contei pelo menos sete, que se habituaram a vir debicar um festim de sementes que lhes deito todas as manhãs. Se decidir dedicar algum do seu orçamento à alimentação da passarada, aconselho-o vivamente a procurar um passareiro perto de sua casa.

À partida, deverá conseguir comprar a comida ao quilo, a preços muito mais em conta do que as lojas de animais especializadas dos centros comerciais. O meu posto de observação habitual é, claro, o meu terraço, de onde tenho uma vista para uma boa parte do jardim e onde posso estar sentada, de binóculo em punho e um refresco ao lado.

O que fazer para conseguir ver melhor as aves

Nos dias mais frios, o terraço que eu utilizo para dar largas a esta atividade não é muito convidativo e, por isso, arranjei, há uns tempos, um novo observatório, que tem a vantagem de ser muito mais intimista. Do lado de fora da divisão onde habitualmente tomamos o pequeno-almoço, instalei uma casinha e um dispensador de comida de aves.

A família das pequenas escrevedeiras já é cliente. Esta observação mais próxima é mais interessante porque permite analisar melhor os detalhes de uma espécies mas, sobretudo, porque permite observar comportamentos sociais. É curioso observar como há pássaros mais agressivos, outros mais brincalhões e alguns francamente atrevidos.

É o caso dos melros, que já nem se incomodam com a população canina cá de casa e que se aproximam de qualquer sítio desde que lhes cheire a minhocas. Há duas ou três obras fundamentais para conseguirmos estudar os pássaros dos nossos jardins. São elas o "Guia de aves" e "Atlas das aves nidificantes em Portugal", títulos da Assírio e Alvim.

Há uma outra obra, intitulada "Bird songs", editada pela Chronicle Books, que comprei há uns anos em Nova Iorque, um livro com um gravador incorporado que nos permite identificar as aves através do seu aspeto físico e também do seu canto. Infelizmente, as 250 espécies que nela se podem ver e ouvir, são sobretudo vulgares nos EUA.

Mas, mesmo assim, ainda lá figuram muitas das espécies que aparecem por cá. É uma ideia fantástica, muito útil e que tem o elemento adicional de encantar as crianças, que têm de ficar quietas. Experimentem dedicar algum tempo à observação de aves nos vossos jardins e verão como é uma atividade relaxante, barata e sem efeitos secundários.

Bird watching. E se tirasse uns minutos para observar os pássaros do seu jardim?

Texto: Vera Nobre da Costa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.