Completa-se, aqui, um ciclo nas nossas vidas, e antes de avançarmos é tempo de mergulhar nas profundezas da nossa alma, reconhecer as nossas emoções e motivações e ganhar balanço para prosseguir viagem.

Tudo o que acontece no Universo obedece a ciclos: a Lua percorre as suas quatro fases ao longo de cada mês e, no decurso de um ano, atravessa os doze signos do Zodíaco. A Lua Nova marca o início de cada ciclo lunar, que atinge o seu pico de expressão máxima na Lua Cheia: é ela que dá força a tudo o que foi antes plantado, regado e cuidado, é também a Lua Cheia que potencia a nossa energia pessoal e que nos deixa mais expressivos e expansivos, mais fortes ou, se esta energia não for bem gerida, mais descontrolados. Em cada mês do ano as fases lunares ocorrem em signos diferentes e, assim, vamos experimentando a energia de todos eles, as oportunidades e dádivas que trazem, os desafios e dificuldades que lhes estão associadas.

A Lua Cheia ocorre sempre no signo oposto àquele em que o Sol se encontra. Por isso, em setembro, quando o Sol atravessa Virgem, a Lua Cheia acontece no signo Peixes, completando assim uma volta inteira ao Zodíaco, que foi iniciada em outubro do ano passado com a Lua Cheia em Carneiro. Ao chegarmos ao último signo do Zodíaco, aquilo que a Lua Cheia nos pede é nada menos que tudo: Peixes é o signo mais místico, é aquele que evoluiu mais a nível espiritual (e por isso os seus nativos têm geralmente uma intuição apurada e uma forte ligação ao mundo espiritual ou, se esta energia não está bem desenvolvida neles, sentem confusão, perdendo-se nos seus devaneios e tendo dificuldade em encontrar o seu rumo).

Nesta Lua Cheia em Peixes, podemos sentir-nos empurrados pelas nossas próprias emoções, como se quiséssemos resistir e manter o senso comum - afinal de contas, o Sol está no prático e prudente signo Virgem - mas sem sermos capazes de esconder por mais tempo o que sentimos. Aquilo que nos preocupa torna-se mais latente, mas também a beleza que encontramos nas coisas simples da vida está mais destacada.

Sendo Virgem um signo especialmente preocupado com a saúde, é provável que as questões que a ela dizem respeito sejam agora mais urgentes e incisivas na necessidade de encontrar uma resposta. A Lua Cheia em Peixes vem oferecer, assim, a possibilidade de encontrar, senão a cura, pelo menos um paliativo através daquilo que se encontra para lá do que a vista alcança e do que a mente compreende.

A Lua Cheia em Peixes ajuda-nos a curar o que nos fere e a encontrar alívio para as nossas preocupações através do que podemos fazer no dia-a-dia, dos hábitos mais simples (que são a base da nossa estabilidade), da fé e da confiança num poder que é superior a nós.

"Entregar a Deus e fazer a nossa parte" é uma das mensagens mais fortes desta fase lunar. É uma boa altura para fortalecer a nossa ligação àquilo que é, para nós, o Plano Divino. E isso pode não ter nada a ver com religião, pode indicar a conexão mais profunda com a nossa essência humana, com a confiança nas nossas capacidades de enfrentar, superar e derrubar quaisquer obstáculos que se interponham no nosso caminho.

Embora a Lua Cheia tenda sempre a exaltar as emoções, neste caso a Lua Cheia em Peixes traz serenidade, porque Peixes é um signo de subtileza. Por mais que os nossos sentimentos se tornem gritantes e impossíveis de ignorar, não é a impulsividade que nos move. É, sim, a necessidade de aprofundar, de conhecer melhor, de compreender, de reconhecer. Esta é a oportunidade para estar mais a sós connosco próprios, para prestar mais atenção ao que o nosso corpo nos diz, para mudar de hábitos, para cuidar melhor da nossa saúde física, mental, emocional, espiritual.

A Lua Cheia em Peixes acentua a intuição e faz com que seja mais fácil identificar mensagens e sinais que o Universo nos envia. É provável que receba mensagens através dos seus sonhos, de coincidências, de sincronicidades, de encontros e reencontros inesperados e, muitas vezes, inusitados.

O Sol em Virgem pede-nos rigor e prudência: a Lua Cheia em Peixes ajuda-nos a estar mais atentos ao detalhe e a conseguir ler nas entrelinhas. Estamos mais capazes de "intuir" as respostas, de perceber o que precisamos de fazer, mesmo que não haja factos concretos que sirvam de base à nossa ação. E esta Lua traz-nos, assim, também maior liberdade: não estamos presos a regras ou convenções, pois temos sempre o livre-arbítrio e, acima de tudo, somos seres espirituais. A alma é livre, mesmo que viva dentro de um corpo.

Ainda assim, uma vez que a Lua Cheia se opõe ao Sol em Virgem, pode existir dentro de nós uma certa tensão causada pelas exigências exteriores que nos são feitas. Virgem também está relacionado com o trabalho e com os deveres, enquanto Peixes se entrega ao sonho, à imaginação, ao romance. Podemos ter de fazer melhores escolhas para gerirmos as nossas prioridades e, assim, podermos entregar-nos ao que nos traz paz e felicidade, mas sem deixar para trás as responsabilidades que também nos são pedidas.

Esta Lua Cheia faz-nos refletir sobre a diferença entre aquilo que queremos já, e aquilo que queremos mesmo, e entre aquilo que queremos e aquilo de que precisamos.

Uma vez que Peixes e Virgem não são signos com grande energia física, é provável que nos sintamos até esgotados, sem grande energia. Virgem tem uma grande atividade mental e Peixes, pela sua ligação ao mundo espiritual, absorve facilmente energias menos favoráveis. Assim, é também muito importante dedicar mais tempo ao cuidado consigo mesmo durante este período. Evite fazer esforços, saiba descansar, dedique-se a atividades que lhe tragam serenidade e paz (yoga ou meditação podem fazer maravilhas por si) e não seja demasiado exigente consigo mesmo. Lembre-se: para ser feliz, não tem de ser perfeito.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.