O  Solstício de Verão marca o início do Verão no Hemisfério Norte e a entrada do Sol no signo de Caranguejo. É interessante verificar que nos solstícios se celebram duas importantes festas Cristãs; no de Verão a de São João Baptista (para o Cristianismo São João é o testemunho da Luz, introduz o baptismo) e no de Inverno, o Natal, o nascimento de Jesus.

Caranguejo ou Câncer é o quarto signo do zodíaco e forma com Escorpião e Peixes a triplicidade dos signos da Água. É também um dos quatro signos cardeais, juntamente com Áries / Carneiro, Libra / Balança e Capricórnio.
Para os Caldeus e depois para os neoplatónicos, Caranguejo era o Portão dos Homens, por onde a Alma descia das esferas celestes para a encarnação (Liz Green – A Astrologia do destino).

Caranguejo é a primeira água, a água de onde todos vimos. É simbolicamente o ventre materno, a ligação umbilical a uma mãe que nos alimenta, nutre e protege. A ligação a uma “mãe” que nos devolve um sentimento de pertença. E é isso que em Caranguejo procuramos – pertencer. Procuramos o colo que nos nutra e segure. É a nossa fundação emocional, os nossos padrões.... muitas vezes a sombra das dependências, dos instintos que nos levam a ser reactivos para obtermos alimento … amor.

Na água corre também memória e, por isso, em Caranguejo estão gravadas as emoções vividas em experiências anteriores – daí a sua ligação ao passado, à infância. Na água corre seiva… ADN… karma biológico que nos liga à família.

Veja na próxima página a continuação do artigo

Caranguejo é sensibilidade, vulnerabilidade, fragilidade… e é aqui que encontramos a ligação ao crustáceo – a necessidade da carapaça, de andar para o lado ou para trás - puro instinto de protecção, de sobrevivência.

Há dois grandes ” cortes” na vida – primeiro com a Causa Primeira, com Deus – experiência da separação. Depois, o cordão umbilical, com a mãe – experiência de separação novamente. E é este profundo sentimento de perda que afinal todos queremos reparar. A necessidade de pertencer a alguma coisa, a procura de um Lar, vem da vontade de preencher uma perda, uma lacuna imensa que nos envolve e enrola, dissolvendo-nos na massa, afastando-nos do que mais procuramos - da ligação.

“Acredito que Câncer é levado a procurar essa fonte Divina: esse é o seu Daimon, imaginado tanto com o começo da vida antes da separação física e do nascimento, como o fim da vida quando a alma mais uma vez se funde com o Um. Assim, é tanto um anseio regressivo pelo ventre, como um anseio místico por Deus.

É compreensível que a projecção desse símbolo primordial caia primeiramente sobre a mãe pessoal, e talvez seja por isso que ela tenha um aspecto tão poderoso na vida dos cancerianos, a despeito de ela ser ou não, na realidade e em qualquer sentido objectivo, tão poderosa. O “clássico complexo de mãe” do canceriano não diz respeito à mãe pessoal. É o primeiro estágio de um desdobramento gradual em direcção a uma fonte interior, embora em geral Câncer procure, em diferentes períodos da vida, essa fonte personificada numa pessoa “maternal”, homem ou mulher, que possa cuidar dele e livrá-lo do medo do isolamento e separação” (Liz Green – A Astrologia do Destino).

Veja na próxima página a continuação do artigo

Enquanto não amadurecermos o arquétipo de Caranguejo em nós, seremos os eternos filhos à procura fora de nós, de quem nos nutra, proteja e segure. Criamos dependências emocionais, impedimentos ao nascimento de uma consciência individualizada, procurando realização num filho, numa mãe, numa família... numa tribo. Desresponsabilizamo-nos de encontrar em nós os alicerces da segurança que precisamos.

Caranguejo é a consciência de massa quando dominado pelo seu regente, a Lua. E a Lua tem um enorme instinto de posse psíquica, muita dificuldade em “abrir mão”, largar. No homem comum, esta lua traz sensibilidade… mas também, confusão, inconstância e muita subjectividade. Ao deixar-se mergulhar na sua própria subjectividade, fica imerso na multidão, na massa, na família… perde noção de Ser… É, porque ilusoriamente pertence a alguma coisa ou alguém. Este É devolve-lhe solidão. Na dor da solidão reside o seu maior crescimento que conduz ao despertar da Alma. A solidão convida a olhar para dentro de forma a curar o mundo emocional. Convida a perguntar de que forma é que nos relacionamos com as emoções. O que é que precisamos para nos sentirmos seguros? Como é que nos relacionamos com a nossa criança interior. Como é que nos alimentamos emocionalmente? É a partir daqui que o regente esotérico Neptuno começa a actuar. Com Neptuno, Caranguejo desperta para o que está à sua volta, para o conceito de grande família universal. Podemos ver então no Caranguejo a “Mãe Universal” lançando para o mundo os maiores dons deste signo: Nutrimento e cuidado.

Os sentimentos, a sensibilidade antes caóticos passam a ser pura inspiração que escuta a sabedoria da voz interior.

Caranguejo é a percepção da Alma Colectiva.

Frases de Caranguejo:

Personalidade: “Que o isolamento seja a regra apesar de existir o colectivo”
Alma: “Eu Construo uma casa iluminada, e aí construo a minha morada”

Vera Braz Mendes

Astróloga, coach, Master practitioner em PNL
Apoio Individual

Email: verabrazmendes@gmail.com

Tel: 91 982 24 60

verabrazmendescreateyourlife.blogspot.pt

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.