Maia, Gondomar, Porto e Barcelos: a concorrência a norte está mais viva e saudável do que nunca. Entre a loja mais barata e a mais cara, a DECO descobriu diferenças de preços de 18% em Gondomar a 29% no Porto.

"A revolução no preço dos supermercados começou no norte, na zona de estreia da Mercadona, em Matosinhos e no Canidelo: aqui a concorrência foi alvo do primeiro estudo em julho. Para o segundo embate real, preparámos uma operação especial. Prometemos acompanhar a reação dos supermercados depois da primeira investida no terreno e cumprimos com um objetivo nobre: ajudar os portugueses a poupar no cabaz de Natal", refere a DECO em comunicado.

10 situações em que ir supermercado pode colocar a saúde em risco
10 situações em que ir supermercado pode colocar a saúde em risco
Ver artigo

Com a estreia em Portugal da cadeia espanhola de supermercados Mercadona, a DECO decidiu investigar se existem diferenças significativas entre os preços da Mercadona e da concorrência na zona envolvente.

Para isso comparou as seguintes lojas: Aldi, Auchan, Continente, Continente Modelo, Coviran, El Corte Inglés, E.Leclerc, Froiz, Intermarché, Intermarché Super, Lidl, Mercadona, Minipreço, Minipreço Family, Pingo Doce, Spar e Supercor. "Considerámos as principais lojas num raio até 15 km das novas lojas Mercadona com o foco nas áreas de concorrência direta. O supermercado Mercadona continua muito longe de revolucionar ao nível dos preços", informa a DECO.

"Analisámos a zona envolvente de quatro novas lojas Mercadona. Selecionámos as lojas concorrentes mais relevantes e mais próximas. Descobrimos a maior disparidade de preços nas lojas das zonas da Maia e do Porto. Na Maia, a diferença chega a ser de 21% (Spar) e no Porto atinge os 29% (Supercor). Pelo contrário, a zona analisada com a menor diferença de valores é Gondomar. No máximo, encontrámos duas lojas com 18% de diferença para o cabaz total", lê-se na nota.

Numa análise global da corrida pelas lojas, o Minipreço sai como o grande vencedor dos preços mais baixos no Porto e em Barcelos (Braga) para o cabaz considerado. Em Gondomar, todos os supermercados analisados situam-se entre 700 metros e 9 km do novo supermercado Mercadona. Quase metade das lojas investigadas ficam a menos de 2,1 km da Mercadona. Aqui, a loja mais barata para comprar o cabaz de Natal é o Intermarché, na R. Gil Vicente, seguido do E.Leclerc (Rua Tristão Vaz Teixeira) com preços 3% mais caros. Pelo contrário, as lojas mais caras para adquirir o cabaz são o Pingo Doce e o El Corte Inglés, ambas com preços 18% mais caros.

Por sua vez, na Maia, todas as lojas analisadas situam-se entre 1 e 10,9 km do supermercado Mercadona: 45% dos supermercados analisados, situam-se a menos de 2,2km da Mercadona.O supermercado mais barato é o Pingo Doce (R. Simão Bolivar), seguido do Lidl (R. de Avelino Francisco Pereira) com preços 1% mais caros para o cabaz de Natal. No extremo oposto, a loja mais cara é o Spar (Av. da França) com preços 21% mais caros.

Já no Porto, todas as lojas analisadas situam-se entre 180 metros e 12,2 km do supermercado Mercadona: 50% dos supermercados situam-se a menos de 2 km da Mercadona. Isolado na frente, o campeão dos preços mais baixos para o cabaz de Natal é o Minipreço (R. 5 de Outubro).

Os 10 sítios da cozinha com mais bactérias perigosas
Os 10 sítios da cozinha com mais bactérias perigosas
Ver artigo

"Com preços 29% mais elevados, a loja mais careira é, sem dúvida, o Supercor (R. de Aleixo da Mota). Das quatro áreas em destaque na investigação, aqui o Mercadona consegue revelar-se mais competitivo com o índice 106 para o cabaz de Natal."

Em Barcelos (Braga), todas as lojas analisadas situam-se entre 150 metros e 8,1 km do supermercado Mercadona: 44% dos supermercados analisados, situam-se a menos de 1,5km da Mercadona. Três lojas estão mesmo a menos de 220 m da nova loja Mercadona.

O Minipreço (Largo do Campo 25 de Abril) volta a liderar o campeonato dos preços mais baratos e conquista o índice 100. As lojas mais caras são o Mercadona e o Froiz, com preços respetivamente 17 e 18% mais caros.

Como é que a DECO fez as contas?

"Nesta investigação, considerámos um cabaz de Natal composto por 41 produtos, 14 de marca própria e 27 de marcas de fabricante", informa. "Este cabaz mix permite a qualquer consumidor preparar o jantar da consoada véspera de Natal (bacalhau e polvo com todos) e o almoço do dia de Natal (peru assado no forno). Inclui entradas, fruta, doces (bolo rei, peras em calda, fatias douradas, filhós, sonhos e arroz doce), algumas bebidas (Coca Cola, Ice Tea, sumo Compal, vinho do Porto) e ainda miolo de noz, de amêndoa, de avelã, figos secos e bombons", acrescenta.

A equipa de inquiridores efetuou a recolha de preços para o cabaz completo entre 28 de novembro e 4 de dezembro nas 46 lojas visitadas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.