"Estou determinado a terminar esta conferência amanhã", sábado, disse hoje Sameh Choukri, apelando às partes para que "passem a uma velocidade superior" nas negociações, inicialmente previstas para terminar hoje.

"Continuo preocupado com o número de questões por resolver, nomeadamente sobre financiamento, mitigação, perdas e danos e suas ligações", afirmou o responsável, que é também ministro dos Negócios Estrangeiros do Egito.

E acrescentou: "Apelo às partes para que trabalhem em conjunto para resolver estas questões remanescentes o mais rapidamente possível".

Sobre um dos temas mais importantes da conferência, o financiamento das "perdas e danos" já sofridos pelos países pobres, a maior parte das vezes muito pouco responsáveis pelo aquecimento global, mas muito expostos aos seus impactos, parece ter havido uma evolução desde a noite de quinta-feira.

A União Europeia fez uma proposta, aceitando o princípio da criação de um "fundo de resposta a perdas e danos", sujeito a condições e à reafirmação de objetivos fortes em matéria de redução das emissões e de limitação do aquecimento global.

Uma proposta de resolução sobre perdas e danos apresentada no final da quinta-feira pelos "facilitadores" do dossier também apresentou uma opção sobre a decisão de princípio sobre um fundo específico, uma exigência dos países em desenvolvimento.

A ministra paquistanesa para as Alterações Climáticas, Sherry Rehman, atual presidente do poderoso grupo de negociação G77+China, disse na sexta-feira que esta opção era aceitável, "com algumas mudanças".

A conferência anual da ONU sobre o clima tem como objetivo aumentar as promessas dos quase 200 países participantes de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa e limitar o aquecimento global, que provoca as alterações climáticas.

Este ano aumentaram as catástrofes relacionadas com as alterações climáticas, de secas a inundações, e perante esse cenário os países do Sul global, altamente expostos aos impactos climáticos, apelaram a um acordo na COP27 de criação de um fundo para cobrir “perdas e danos”.

Os países desenvolvidos, relutantes quanto a incluir essa matéria na agenda, insistiram num período adicional de discussão, antes de ser tomada uma decisão.

No final do dia de quinta-feira a União Europeia apresentou a proposta de se estabelecer esse fundo, mas insistiu que a COP27 devia em contrapartida assumir compromissos fortes em matéria de redução de emissões.

Na manhã de hoje, a presidência egípcia da conferência divulgou uma nova proposta de texto final da reunião, no qual se continua a reafirmar a determinação de impedir que a temperatura suba acima de 1,5ºC (graus celsius) em relação à época pré-industrial, uma meta estabelecida no Acordo de Paris sobre o clima, em 2015.

No entanto, os atuais compromissos de redução de gases com efeito de estufa de vários países estão longe de cumprir o objetivo e, de acordo com as análises da ONU, na melhor das hipóteses, limitarão o aquecimento a 2,4°C até ao final do século.

A COP27 começou no passado dia 06 e devia terminar hoje.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.