As unhas são formadas essencialmente por queratina, uma proteína fibrosa, sendo um dos mais fortes tecidos do corpo. No entanto, devido a vários factores, podem ser foco de diversas alterações. As alterações das unhas podem ser anomalias da cor, forma e textura.

Podem ainda ser causadas por fungos ou serem resultado de outras doenças do organismo. Quando as alterações são reflexo de outras doenças, a única forma de acabar com o problema é tratar a doença em causa, consultando um médico.

Doenças das unhas
O facto de as anomalias das unhas poderem estar relacionadas com a saúde do organismo, é mais uma razão para estar alerta e prestar atenção às suas alterações. Por isso conheça os principais tipos de anomalias:

Coiloníquia
É uma deformação grave. A unha sofre uma anomalia de forma e textura, e é caracterizada por uma depressão central em forma de batel. Os bordos laterais levantam, a parte do meio torna-se côncava e a unha fica em forma de colher.

Em termos de textura esta anomalia traduz-se pela fragilidade apresentada pelas unhas. A coiloníquia pode estar associada à anemia ou à falta de ferro.

Fendilhação
Consiste na fragilidade da unha, que por ser tão frágil lasca formando diversas fendas. A fragilidade ungueal (fendilhação) é causada normal mente pelo uso excessivo de detergentes, contacto constante e excessivo com a água. Esta doença afecta cerca de 20% da população. Cuidados a ter quando se sofre de fragilidade ungueal:

- Antes de cortar as unhas deve mergulhá-las em água morna;
- Após o corte deve aplicar um creme hidratante;
- Deve manter as unhas curtas e não deve abusar no uso de vernizes;
- Deve tomar suplementos com aminoácidos e gelatina, pois aumentam a resistência das unhas.

Saiba mais na próxima página

Hipocratismo
Esta alteração pode estar associada a doenças respiratórias graves, doenças cardíacas e cirrose hepática (doença do fígado). Pode também ocorrer nos grandes fumadores. A unha apresenta uma forma convexa e torna-se espessa e grossa.

Leuconíquia
Pode estar associada a doenças cardiovasculares, da tiróide, problemas de fígado ou ser provocada por fungos (a causa mais frequente). A unha apresenta uma coloração branca, pontos brancos ou fendas.

A leuconíquia pode ser total, toda a lâmina aparece branca, ou estriada com a formação de manchas ou estrias brancas, normalmente associadas à falta de queratina.

Onicólise
Ocorre quando a unha, ou parte dela, salta devido ao descolamento da unha do leito ungueal. Esta anomalia é causada frequentemente pelo uso excessivo de detergentes e vernizes que contêm formalina (solução aquosa de formaldeído, usando metanol como estabilizador). O verniz não deve ser utilizado mais de duas vezes por semana.

Onicomicose
É uma infecção causada por fungos que atingem as unhas, principalmente dos pés. As fontes de infecção podem ser várias: o solo, outras pessoas, utensílios de manicura e pedicura contaminados, animais, etc.

Geralmente as unhas dos pés são as mais afectadas, pois o ambiente que as rodeia (dentro do sapato) é húmido, escuro e quente e por isso favorece o aparecimento e propagação dos fungos. Além disso, a queratina (substância que forma as unhas) "alimenta" o fungo.

Paroníquia
É muito frequente e ocorre quando existem pequenas fendas (feridas) nas pregas. As fendas permitem que as bactérias penetrem provocando inflamação e infecção nas pregas periungueais. A paroníquia é mais comum em pessoas que na sua profissão têm as mãos constantemente em água.

Saiba mais na próxima página

Unhas amarelas
Esta anomalia de coloração pode ser provocada pelo tabaco (os fumadores têm, normalmente as unhas amareladas). A coloração amarela pode também estar associada a doenças respiratórias, doenças da tiróide, uso de alguns antibióticos e/ou fungos (a infecção por fungos volta a ser a causa mais frequente).

Unhas castanhas
Deve-se geralmente a fungos.

Unha encravada
Está associada a vários factores, desde o calçado apertado até à predisposição genética. A unha que geralmente encrava é a unha do dedo grande. Além de causar dor, provoca infecção, pois ocorre penetração da ponta do prato ungueal na profundidade da prega lateral, levando à inflamação e infecção das pregas.

A infecção pode espalhar-se pelo pé ou outras partes do corpo, caso não seja devidamente tratada. O tratamento consiste em limpar a área infectada e na remoção da parte da unha que está encravada.

A unha deve ser cortada regularmente e sempre a direito para evitar que os cantos encravem e causem abcesso. O uso de antibióticos pode não ser necessário. No caso desta situação ser crónica, parte da raiz da unha pode ser removida permanentemente por um podologista, dermatologista ou outro médico, para que não volte a encravar.

Unhas roxas

Não estão associadas à onicomicose, mas sim a traumatismos sendo os hematomas os mais comuns.

Fungos e leveduras
Existem mais de cem mil tipos diferentes de fungos e todos eles necessitam de uma matriz para extraírem as matérias-primas que os constituem. Alguns deles necessitam de madeira morta, outros de folhas mortas, cereais, queijo, papel de parede, fruta, frutos secos, pão, pimenta, etc.

Outros desenvolvem-se mesmo nas pessoas ou em animais. Alguns fungos que se desenvolvem em pessoas, usam a queratina da sua pele como nutriente, são conhecidos como "dermatófitos" ou microrganismos que crescem na pele.

Saiba mais na próxima página

Outros fungos precisam de açucares ou de gorduras, esses são conhecidos por leveduras. Existem muitos tipos diferentes de leveduras. Algumas delas possibilitam o crescimento do pão, outras são usadas na produção de cerveja, porém há algumas que vivem nos seres humanos.

Cuidados a ter em conta
Após esta breve análise de algumas das anomalias das unhas, é indispensável referir cuidados que se deve ter para evitar a onicomicose (infecção das unhas por fungos), de longe a patologia mais frequente.

Os hábitos higiénicos são de extrema importância quer na prevenção quer no tratamento da onicomicose. Aqui ficam algumas dicas para que se possa prevenir de algumas destas patologias:

- Cuidados higiénicos diários
- Após o banho deve secar bem o corpo, principalmente entre os dedos
- Evitar ficar com roupas molhadas por muito tempo
- Evitar roupas justas e quentes, e os tecidos sintéticos
- Optar sempre pelo uso de meias de algodão
- Não usar o calçado de outras pessoas – pode estar contaminado
- Optar pelo uso de calçado ventilado e largo
- Evitar o contacto prolongado com água e o uso excessivo de detergentes
- Não andar descalço em pisos constantemente húmidos
- Evitar mexer em terra sem usar luvas
- Usar apenas o seu kit de manicura e pedicura e materiais esterilizados
- Se suspeitar de alguma alteração da unha consulte um especialista

Fotografia: ©BVDC - Fotolia.com
Agradecimentos: Ricardo Coelho, dermatologista; Sílvia Moreira, esteticista

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.