A psoríase é considerada uma doença que vai para além da pele, associada a múltiplas comorbilidades, ou seja, doenças que co-existem com esta patologia, como cardiovasculares, intestinais ou psicológicas.

Apesar de atualmente o conhecimento sobre a psoríase ser vasto, ainda existe falta de informação ou mesmo desinformação por parte da sociedade e doentes. Aliás, esta situação foi identificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um dos principais problemas associados à doença, devido ao impacto psicossocial que acarreta.

O que é a psoríase?

A psoríase é uma doença que se caracteriza por lesões vermelhas e descamativas localizadas nos cotovelos, joelhos, região lombar, couro cabeludo e unhas. Em cerca de um terço dos casos, os doentes desenvolvem uma forma de doença reumática articular, designada de artrite psoriática.

Pela visibilidade das lesões e sintomas associados, compreende-se que seja uma doença com um marcado impacto físico e psicológico, com consequente diminuição da qualidade de vida dos doentes.

Na realidade, está demonstrado desde há vários anos que o seu impacto na qualidade de vida é superior ao de muitas outras patologias habitualmente consideradas mais graves, como o cancro, a diabetes ou a doença cardiovascular.

Os mitos

Existem vários mitos relativamente à psoríase e dois deles são particularmente negativos para os doentes por promoverem a sua estigmatização e isolamento social.

"A psoríase é contagiosa?"

Nada poderia estar mais incorreto do que estas questões. A psoríase é uma doença inflamatória, imunológica, não infeciosa, e por isso não contagiosa.

"A psoríase é causada por falta de higiene?"

Sabe-se que a psoríase é causada pela combinação de fatores genéticos (predisposição genética) e certos fatores ambientais, como o stress, fármacos ou certas infeções, pelo que a higiene da pele em nada interfere com a doença.

"A psoríase não tem cura" 

A psoríase é uma doença que ainda não tem cura. No entanto, com os tratamentos atualmente disponíveis é possível a resolução completa ou quase completa das lesões de pele na grande maioria dos doentes, permitindo devolver a qualidade de vida perdida com a doença.

"Os meus filhos podem vir a ter psoríase"

Relativamente à possibilidade de os descendentes desenvolverem psoríase, tendo esta doença uma base genética, existe naturalmente uma maior predisposição para o desenvolvimento de psoríase em filhos de doentes com psoríase. No entanto, esta probabilidade não é elevada, pelo que não deve ser um motivo de preocupação.

15 doenças que ainda não têm cura
15 doenças que ainda não têm cura
Ver artigo

Por fim, existem vários outros mitos, mais triviais, mas que preocupam os doentes, relacionados com a alimentação, exposição solar ou hábitos de vida.

É sobejamente conhecido o efeito positivo e terapêutico da exposição solar, que não deve deixar de ser cuidada, assim como o efeito negativo de certos hábitos de vida como o tabagismo ou o consumo de álcool. Pelo contrário, não existe evidência no sentido de promover um tipo de dieta em detrimento de outra, ou a evicção de certos alimentos.

Resumindo, existe ainda um longo caminho a percorrer na desmistificação de muitas ideias que envolvem a psoríase. No entanto, este trabalho é fundamental para diminuir o impacto psicossocial da doença e melhorar a qualidade de vida dos doentes com psoríase.

As explicações são do médico Tiago Torres, especialista em Dermatologia e Professor Auxiliar Convidado do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.