A causa desta doença não está completamente esclarecida, sendo classificada como uma patologia associada a diferentes doenças auto-imunes, como é o caso da contratura de Dupuytren (doença das mãos que atingem 15,4 a 25% dos pacientes), microtraumatismos e heranças genéticas, que afetam o tecido conjuntivo da região peniana.

Estas características levam à formação de placas fibrosas da túnica albugínea, que impede a expansão do pénis durante a ereção, tendo como resultado uma curvatura ao nível do pénis e ainda o seu estreitamento, encurtando-o com perda de perímetro. Muitas vezes, associado a dor, dificuldade na penetração e disfunção eréctil.

A doença de Peyronie apresenta um grande impacto quer ao nível físico, psicológico e emocional do homem, diminuindo significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Nesta patologia, o tratamento incide não só ao nível estético, através da correção da deformidade, mas também no alívio da dor sentida sempre que o paciente atinge a ereção.

Para este efeito, são utilizadas diversas técnicas de tratamento, de acordo com o tempo de evolução da doença e, sobretudo, o grau de curvatura. Os tratamentos desta patologia passam pela realização de cirurgia peniana e fisioterapia. A técnica clássica e antiga provocava um encurtamento deste importante órgão, pois encurtava-o na zona oposta à curvatura, para que ficasse direito.

A técnica inovadora que utilizamos na clínica Biscaia Fraga com sucesso, além de corrigir o defeito, aumenta tridimensionalmente o pénis, quer em espessura quer em comprimento.

Sumariamente, consiste em desagregar ou dissolver a placa fibrosa e dura com agente químico e, de seguida, preencher aquele espaço e corrigir o defeito da curvatura com tecido adiposo do próprio, adequadamente colhido e centrifugado, associado ao plasma do paciente.

O nível de satisfação com resultados objetivos é muito elevado, nomeadamente nos casos leves e moderados, tendo resultados considerados aceitáveis funcional e morfologicamente nas situações consideradas severas.

A reabilitação peniana pós-cirúrgica passa por aplicar diferentes técnicas físicas, tais como massagem, drenagem linfática manual, em caso de edema, ultrassom e terapias de estiramento, pois, desta forma, irá existir uma minimização da retração peniana e uma melhor evolução e consequente cicatrização.

Por Biscaia Fraga, Médico e Cirurgião Plástico na Clínica Biscaia Fraga

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.