A canela estimula o sistema gastrointestinal, circulatório e respiratório.

Diz-se que a verdadeira (Cinnamomum
vera
ou C.zeylanicum), da
família das lauráceas, é originária
do Ceilão, tendo sido depois
introduzida no Sudoeste da
Índia. A sua cultura, no entanto,
estendeu-se ao Brasil e a destinos como a Martinica,
Madagáscar, Java, a Jamaica, o Vietname e as Seicheles.

A canela já foi mais preciosa do
que o ouro e a prata. O poder
aromático desta planta era já
conhecido na China e na Índia no
século IX a.C. O herborista inglês
do século XVII, Nicholas Culpeper,
recomendava a canela como
preventivo contra o escorbuto.
A canela da China (Cinnamomum
cassia
), utilizada há mais
de cinco mil anos, tem sabor
mais ardente e a sua cor é mais
avermelhada.

Os antigos egípcios valorizavam
muito a canela e utilizavam-na
para embalsamar e também em
bruxaria. Os antigos gregos e
romanos já a conheciam através
das suas rotas de guerra e comércio.

Os portugueses conquistaram
Ceilão em 1536 com o único propósito
de alcançar o monopólio
do lucrativo comércio da canela
mas entraram em guerra com os
holandeses que foram ganhando
controlo sobre as especiarias do
sudueste asiático e monopolizaram
o comércio da canela durante
bastante tempo tendo, no
entanto, perdido este monopólio
para os franceses e mais tarde no
século XVIII para os Ingleses.

Propriedades

A canela estimula o sistema
gastrointestinal, circulatório e
respiratório, tendo acção revigorante
sobre o organismo. Sempre foi utilizada para combater
vários problemas gastro-intestinais
como flatulência, perda
de apetite, diarreia, parasitas e
espasmos intestinais.

Aquece
o organismo, sendo muito útil
para tratar gripes, constipações
e febres, é antibacteriana das
vias respiratórias, ajudando
a aliviar alguns tipos de asma,
afrodísiaco, antiespasmódico,
muito aconselhado no tratamento
de dores menstruais, dores de
cabeça, vómitos, mau hálito, pés
e mãos frias.

É ainda antifúngico,
sendo recomendada no tratamento
da candidíase.
Investigações recentes comprovaram
que a canela ajuda a
baixar o açúcar no sangue sendo
recomendada em alguns casos
de diabetes tipo 2. Na Índia era
recomendado como anti-conceptivo
feminino. O óleo essencial tem propriedades
anti-fúngicas e anestésicas,
sendo eficaz em massagens
diluído num óleo base para dores
reumáticas, arterite e dores
musculares.

Veja na página seguinte: Os ingredientes que o interior da casca contém

Componentes

O interior da casca contém cerca
de 10% de óleos essenciais
como o eugenol, o cineol e o cariofileno. Contém ainda taninos,
glúcidos, mucilagem, cálcio,
resina, oxilatos e cumarinas.

Cultivo

As grandes plantações de
canela situam-se
nas planícies
costeiras
a sul de Colombo, até 1500
metros de altitude. Crescem em
cepos grossos, com rebentos
com espessura semelhante à de
um pulgar.

Na estação das chuvas.
os rebentos são cortados e
descascados. Os ceifeiros trabalham
com uma extraordinária
perícia, a fim de cortarem pedaços
muito finos que são depois
deixados a fermentar durante
24 horas, as cascas enroladas
manualmente são depois secas.

Na culinária

Combina bem com laranja,
chocolate, amêndoas, maçãs,
cardamomo, banana, pêra, beringela,
carneiro, cuscuz e pratos
salgados à base de cenoura
abóbora ou arroz. A canela em pau é mais eficaz e
saborosa do que a canela moída
que vai perdendo o aroma mais
rapidamente.

Contra indicações

O uso de canela não é recomendado
a grávidas por ser um
estimulante uterino. O óleo essencial pode causar
dermatite de contacto, irritação
das mucosas ou reacções alérgicas
sobretudo a cinnamomum
cassia.

Texto: Fernanda Botelho

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.