A natação parece ser um desporto cada vez mais popular, sendo agora bastante fácil encontrar piscinas com aulas dirigidas tanto a bebés como a idosos. Em muitos casos, são os próprios médicos que aconselham a prática desta modalidade. Porquê?

Elvis Carnero, fisiologista do exercício, explica que «através da natação, as pessoas podem ganhar força, flexibilidade, mobilidade e, se a prática for muito frequente, podem até melhorar o seu perfil metabólico e  diminuir a pressão arterial».

Baixo impacto

Quando estamos com água até ao queixo, o nosso corpo pesa um décimo do peso que temos fora de água.
Daí tratar-se de um desporto de baixo impacto que quase toda a gente consegue praticar. «No caso dos idosos, por exemplo, que não conseguem desempenhos físicos  significativos fora de água por motivos que podem ir das dores articulares ao excesso de peso ou apenas baixa condição física, a natação pode ser o primeiro degrau de treino para melhorar numerosos parâmetros fisiológicos», afirma o especialista.

Benefícios para todas as idades

«É um desporto que desenvolve muito o aparelho cardio-respiratório quando se consegue nadar distâncias prolongadas. A nível muscular, é interessante como método de hipertrofia (aumento da massa muscular) para pessoas com uma baixa condição física», explica Elvis Carnero. No caso dos bebés, por outro lado, a prática da natação também é aconselhada (preferencialmente, a partir dos seis meses), uma vez que «é um complemento importante para o desenvolvimento da motricidade, pois eles conseguem deslocar-se com maior facilidade dentro da água, sendo estes exercícios interessantes como complemento para o seu desenvolvimento integral».

Nade ao seu ritmo

Mas, apesar de todos estes benefícios, é importante que siga o seu próprio ritmo, ajustado às  suas capacidades, alerta Elvis Carnero, exemplificando que «uma pessoa sem contraindicações graves para fazer exercício físico pode nadar até cinco ou seis vezes por semana, numa média de 30 minutos por dia, sem que isto constitua um excesso de carga interna. No entanto, isto será  sempre em função do nível de condição física de cada indivíduo».

Assim, é indispensável que consulte o seu médico, «para que este lhe confirme que o seu estado  de saúde lhe possibilita a prática de exercício moderado» e que escolha uma piscina onde existam profissionais qualificados, capazes de avaliá-la técnica e fisicamente e de lhe criar um plano de  treino pessoal adequado. Depois, é só começar.

Pronto para entrar na água?

Antes de mergulhar na piscina veja se tem tudo o que precisa:

- Se é propenso a problemas de ouvidos, não se esqueça de usar tampões próprios para o efeito.

- Para proteger o nariz existem também molas que impedem a entrada de água.

- Os óculos são indispensáveis para evitar a irritação dos olhos.

- As piscinas costumam impor o uso de toucas. Pode optar entre toucas de tecido ou silicone. Escolha a touca usando o critério do conforto e não pela impermeabilidade.

- Os chinelos são obrigatórios. Deve usá-los mal se descalça no
balneário e levá-los até entrar na piscina. Não se esqueça deles no
duche, onde não se deve descalçar. Só desta forma pode proteger-se de
infeções fúngicas como o pé de atleta.

Texto: Alexandra Pereira com Elvis Carnero (fisiologista do exercício)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.