Para que o vírus da Sida se possa desenvolver e proliferar e, assim, causar doença, tem que ter acesso à corrente sanguínea, uma vez que no exterior, fora das células, é rapidamente destruído.

Todas as pessoas devem fazer o teste do VIH. Mas este torna-se ainda mais necessário se se verificarem comportamentos de risco, como relações sexuais desprotegidas (sem preservativo), partilha de seringas ou outro material de injecção de drogas ou contacto com sangue de outra pessoa.

Os 16 sintomas mais comuns do VIH/Sida
Os 16 sintomas mais comuns do VIH/Sida
Ver artigo

70% das pessoas não sabe que tem a doença

Caso tenha havido comportamento de risco, a colheita de sangue deve ser efetuada apenas 3 a 10 semanas após o contacto, não podendo existir uma certeza sobre os resultados nos primeiros três meses após o contágio (as primeiras análises a uma pessoa infectada pelo vírus podem dar um resultado negativo, se o contágio foi recente).

Por este motivo, e na dúvida, o teste deve ser repetido passados três meses.

Atualmente existem mais de quase 37 milhões de pessoas, em todo o mundo, diagnosticas com VIH/Sida, mas apenas 70% sabem que estão infetadas.

O vídeo faz parte de uma campanha da ViiV Healthcare, uma empresa global especializada na infeção por VIH, fundada em novembro de 2009 pelos laboratórios GlaxoSmithKline e Pfizer.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.