"As vacinas não significam zero covid. Vacinas e [campanhas de] vacinação não resolverão por si só o problema", explicou o diretor de Emergências da OMS, Michael Ryan, em conferência de imprensa por videoconferência.

"Nem todas partes do mundo vão ter acesso às vacinas no início do ano que vem", afirmou.

O Reino Unido tornou-se na quarta-feira, o primeiro país ocidental a aprovar o uso de uma vacina contra a pandemia.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, explicou que o progresso vivido neste ano no campo das vacinas "nos dá tranquilidade, podemos começar a ver uma luz ao fundo do túnel".

"Mas a OMS está preocupada perante a crescente percepção de que a pandemia acabou", alertou.

"A verdade é que nesses momentos, muitos países estão a sofrer uma grande transmissão do vírus, o que impõe uma enorme pressão nos hospitais, nos cuidados intensivos (UCIs) e aos profissionais da saúde", completou.

O mundo chegou aos 65 milhões de casos registados esta sexta-feira.

O novo coronavírus, que surgiu oficialmente na China há quase um ano, já matou mais de 1,5 milhões de pessoas.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.