Em declarações à agência Lusa, o presidente da secção regional do Norte da Ordem dos Médicos (OM), António Araújo, explicou que as entrevistas e as avaliações físicas já tiveram início na segunda-feira e que este apoio é prestado gratuitamente e por voluntários.

“Não podíamos ficar indiferentes a esta calamidade que se abateu sobre a Europa e sobre o povo ucraniano. Juntámos forças: médicos, enfermeiros e diocese [do Porto]”, disse António Araújo.

A assinatura de um protocolo de colaboração entre as três entidades decorreu hoje de manhã.

Em causa estão os ucranianos que venham a ser acolhidos pela diocese do Porto, que disponibilizou 70 camas no Seminário do Bom Pastor, em Ermesinde, no concelho de Valongo, para receber os que estão a fugir do conflito armado na Ucrânia.

António Araújo avançou que o objetivo é “ir prestando o apoio necessário aos refugiados que sejam acolhidos no Porto pela diocese até que estes sejam integrados no Serviço Nacional de Saúde e recebam número de utente”.

“Este apoio não vai ser de um dia. Vamos tentar apoiar ao longo das próximas semanas”, referiu.

Informação remetida à agência Lusa pela secção Norte da OM refere que “sempre que seja possível a continuidade dos cuidados de saúde que os refugiados careçam, será assegurada ‘in loco’ na modalidade de domicílio nas instalações do Seminário Bom Pastor”.

Paralelamente, “sempre que o estado de saúde do refugiado exija cuidados diferenciados, a OM encaminhará o refugiado para o SNS”.

Quanto aos consumíveis médicos e de enfermagem necessários à prestação dos cuidados de saúde no Seminário Bom Pastor, como, por exemplo, medicamentos, material de pequena cirurgia, pensos, seringas, esses serão fornecidos pela diocese do Porto.

A secção Norte da Ordem dos Médicos lançou uma campanha de angariação de voluntários que registou “uma adesão enorme”, com a inscrição de mais de 150 profissionais.

Segundo António Araújo, além da colaboração com a diocese do Porto, está em cima da mesa “a colaboração com qualquer outra entidade oficial que acolha refugiados ucranianos e sinta necessidade de apoio em cuidados de saúde”.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 726 mortos e mais de 1.170 feridos, incluindo algumas dezenas de crianças, e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, entre as quais três milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.