Os diagnósticos são conseguidos através de um sistema de rastreio em contextos não formais de saúde, assegurando a referenciação para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) de todas as pessoas com resultados reativos.

Promovida pelo Grupo de Ativistas sobre Tratamentos VIH/sida (GAT), a Rede de Rastreio Comunitário pretende promover o diagnóstico precoce do VIH/sida, hepatites virais e outras doenças sexualmente transmissíveis junto de populações mais afetadas (prostitutas, consumidores de droga, migrantes). Entre agosto de 2015 e abril deste ano foram feitos 6.046 testes ao VIH, dos quais 118 (2,2%) tiveram resultado reativo. Destes, 79,7% aceitaram a referenciação proposta pela organização.

Na sífilis foram feitos 4.416 testes, 4,2% (160) deles deram resultado reativo, tendo sido encaminhados para referenciação 76,3%. No caso das hepatites, realizaram-se mais de 5.255 testes, 2.951 para o vírus da hepatite C e 2.129 para a hepatite B, dos quais foram reativos 1,9% e 2,1%, e referenciados 80,8% e 84,1%, respetivamente.

Leia tambémQuando era bebé, o pai injetou-lhe sangue com VIH

Saiba mais: Os 16 sintomas mais comuns do VIH/Sida

No âmbito da realização dos testes, todos os utentes com mais de 18 anos foram convidados a responder a um questionário com informação sociodemográfica e comportamental, tendo respondido 2.766 utentes (1.699 homens 1.044 mulheres e 23 mulheres transgénero, sendo a faixa dos 24 aos 35 anos a mais representada.

No que respeita às habilitações literárias, 22,8% tinham o 2.º ciclo do ensino básico ou menos, 29,1% completaram o ensino secundário e pouco menos de 30% tinham o ensino superior. Quase dois terços nasceram em Portugal, sendo que dos restantes, 14,7% tinham nascido num país africano, maioritariamente de língua oficial portuguesa, 8,9% no Brasil e 6% em países europeus.

Maioria não usa preservativo regularmente

Quanto ao uso de preservativo nos 12 meses anteriores e na última relação sexual, 58% referiram terem usado este contracetivo (19,1% e 38,9%, respetivamente).

Leia ainda: O sexo oral transmite Sida? 10 dúvidas frequentes

Saiba ainda: As doenças sexualmente transmissíveis mais perigosas

Dos 315 (13,8%) inquiridos que tiveram relações sexuais a troco de dinheiro ou bens, 49 (19%) admitiram não ter usado sempre preservativo.

Quanto a testes anteriores realizados para detetar a presença de infeções, 42,7% dos inquiridos disseram nunca ter feito um teste ao VIH e entre os que o realizaram, 28,6% fizeram-no antes de 2015.

No que respeita às hepatites B e C, 75,4% e 78,4%, respetivamente, nunca tinham realizado testes de deteção da doença. Dos que tinham realizado, 12% e 13,5% tinham-no feito antes de 2015.

Relativamente à Sífilis, os números são ainda mais gritantes, com 88,6% dos inquiridos a assumir nunca ter feito este teste e entre aqueles que referiram já ter realizado o rastreio, 3,7% fizeram-no antes de 2015.

Este projeto pretende manter e expandir a Rede até julho deste ano, tendo atualmente mais de 20 pontos de rastreio em todo o país para a hepatite C, B e sífilis, e testes rápidos do VIH/sida (com resultados em um minuto) disponíveis em todas as organizações que aderiram à Rede.

No final do mês de abril, a rede contava com a participação de 16 organizações com atuação de Norte a Sul do litoral do país, tendo sido formados para a realização do rastreio 65 técnicos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.