"Eu só queria ser a melhor", desabafa a atleta britânica num relato na primeira pessoa publicado na revista Athletics Weekly.

Bobby Clay era uma das grandes promessas do atletismo no Reino Unido, mas de repente passou a ser conhecida como "aquela menina". "A menina que treinou demais, a menina que não se alimentou. A menina de que todas as pessoas falam e que pensam que não acontecerá o mesmo com elas", escreve a jovem.

"Sempre tive a confiança de que poderia ser alguém ao correr e competir, mas isso assumiu por completo o controlo da minha vida", admite no texto publicado no início deste ano.

A obsessão pelo desporto levou a atleta a submeter-se, desde os primeiros anos da adolescência, a um regime de treinos duro que ultrapassou os limites físicos do seu corpo de adolescente. "Tenho 20 anos e nunca menstruei. Tenho 20 anos e sofro de osteoporose. Tenho 20 anos e agora sou 'aquela menina'".

VEJA AINDAMulheres com o período não devem fazer bolos? 30 verdades e mitos sobre a menstruação

LEIA TAMBÉMOs 10 desportos que queimam mais calorias

Clay destacou-se desde cedo pela sua aptidão e gosto pela corrida. Ainda nos primeiros anos da fase da puberdade, integrou a seleção nacional britânica e participou em campeonatos mundiais de cross-country, modalidade disputada em terrenos irregulares.

Ficou em quarto lugar na prova dos 1.500 metros no campeonato mundial juvenil de 2013 e chegou às finais dos mundiais de sub 20 em 2014 e 2016. Aos 19 anos, tornou-se campeã europeia, obtendo a sua melhor marca nos 1.500 metros e um dos melhores tempos do mundo para atletas da sua idade. Tudo parecia indicar uma carreira de sucesso, mas o corpo da atleta começou a dar os primeiros sinais de fraqueza.

Fratura a nadar

"Estava a nadar normalmente e quando fiz uma viragem na piscina e empurrei a parede com os pés, um deles partiu-se. Doeu muito", disse a jovem em entrevista à BBC. "Não é normal partir um pé a nadar. Na verdade, é estranho", conta.

Os exames médicos não deram margem para dúvidas: Os clínicos diagnosticaram à campeã europeia dos 1.500 metros uma osteoporose avançada. "Entrei em estado de negação, dizia-me que iria ficar bem, mas tive outra fratura e depois outra e mais outra", recorda, emocionada.

O corpo de Bobby Clay reagiu justamente quando a jovem tinha encontrado o "ambiente ideal" para crescer enquanto atleta. Estava na universidade e com um novo treinador. "Consegui progressos importantes e estava a aprender a treinar de forma inteligente", recorda à BBC.

No entanto, a jovem afirma ter consciência de que a osteoporose surgiu devido ao excesso de treino, défice alimentar e ausência de menstruação, algo que ela acreditava ser uma vantagem competitiva sobre as rivais. "Sabia que um corpo com pouca gordura não menstruaria, mas via isso como algo positivo para o meu rendimento desportivo", frisa.

Foi nessa altura que a campeã britânica começou a ter problemas alimentares e aí surgiram os primeiros sintomas da síndrome de deficiência energética no desporto (RED-S), que resulta do desequilíbrio entre o que se come e o dispêndio energético. A RED-S gera distúrbios hormonais e menstruais, anemia, fadiga crónica, aumento do risco de infeções e alterações da função vascular, o que eleva as hipóteses de enfarte ou acidente vascular cerebral.

"Muitas das meninas com quem convivia seguiam uma trajetória negra com dietas. A relação que tinham com a comida era medonha. Na verdade, eu comida mais do que elas, mas sabia que não estava a fazer isso bem, porque comer um pouco mais do que nada também não é suficiente", diz.

Hoje, Bobby Clay está retirada da alta competição e faz tratamentos para estimular o corpo a produzir hormonas essenciais para aumentar a densidade óssea. O objetivo é ter, também, um ciclo menstrual normal.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.