A investigadora Sónia Cruz, do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), laboratório associado da Universidade de Aveiro conquistou uma bolsa de 2,3 milhões de euros, a bolsa de valor mais elevado das seis atribuídas a Portugal.

Seguem-se Paulo Rocha, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, que vai receber 2,2 milhões de euros, Elias Barriga, do Instituto Gulbenkian de Ciência, com um financiamento de 1,8 milhões de euros, e Bárbara Gomes, da Faculdade de Medicina de Coimbra, com igual montante.

As duas restantes bolsas, no valor de 1,5 milhões de euros, contemplaram o investigador da Universidade de Évora Ricardo Agarez e o psiquiatra e neurocientista Albino Oliveira-Maia, do Centro Champalimaud.

A bolsa atribuída pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC) a Sónia Cruz permitirá desvendar os mecanismos que possibilitam a incorporação e manutenção em células animais de cloroplastos fotossinteticamente ativos, revelou a Universidade de Aveiro.

“Esta capacidade, relativamente restrita na natureza, é intrigante, inclusivamente porque algum material genético essencial ao normal funcionamento dos cloroplastos foi transferido para o núcleo da célula vegetal durante o processo evolutivo da vida na Terra”, afirma Sónia Cruz.

A investigadora considera que a compreensão dos próprios processos celulares que possibilitam a incorporação desses organelos, provenientes de algas, em células de lesmas marinhas, “constituirá um avanço significativo nos domínios da biologia celular e da fisiologia”.

A bolsa agora obtida foi uma das duas obtidas por Portugal na área das Ciências da Vida, de entre um total de mais de 900 candidaturas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.