"O PCP chama a atenção para as dificuldades no funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), reafirma a sua oposição à forma como o Governo do PS tem conduzido a política de saúde e denuncia a campanha em curso, desenvolvida a partir dos centros político e económico do grande capital", afirmou, em conferência de imprensa na sede partidária de Lisboa.

Estes são os 10 mais ricos de Portugal
Estes são os 10 mais ricos de Portugal
Ver artigo

Segundo o membro da comissão política do Comité Central, a referida "campanha" tem duas componentes: desvalorizar o serviço público, "destinado aos mais pobres", e instituir um sistema de prestação de cuidados "centrada nos seguros de saúde", dependente "do dinheiro que cada um tivesse".

"É inaceitável a postura demagógica e cínica de dirigentes do PSD e CDS, alguns que passaram pelo Governo Passos Coelho/Portas e Cristas, provavelmente o governo que mais prejudicou o SNS e os direitos dos portugueses no acesso à saúde, virem agora lamentar-se de uma situação em que têm particulares responsabilidades", disse.

Jorge Pires sublinhou as "dificuldades [do SNS] que são indissociáveis da transferência da prestação de cuidados para grupos privados, com a respetiva canalização de meios financeiros já hoje superior a 3.000 milhões de euros/ano, considerando apenas as convenções, Parcerias Público-Privadas (PPP) e os subsistemas públicos".

"O PCP reafirma que os problemas crónicos que se refletem na situação atual do SNS são consequência da política de direita da responsabilidade de PS, PSD e CDS. Mas, o atual Governo do PS insiste numa política que fragiliza o funcionamento do serviço público e que limita a sua capacidade de responder às necessidades dos utentes", continuou.

O dirigente comunista voltou a defender o "plano de emergência" para o SNS do PCP, cuja maioria dos pontos foi aprovada no parlamento, através de um projeto de resolução na anterior sessão legislativa, contemplando: "a dotação de cada unidade de saúde dos recursos orçamentais adequados às necessidades da população, considerando a modernização dos equipamentos e o alargamento da capacidade de resposta".

Os comunistas advogaram o "reforço do investimento público, em particular a requalificação e construção de centros de saúde e hospitais, especialmente em Évora, Seixal e Sintra", assim como a reversão de PPP e garantia de gestão pública dos estabelecimentos de saúde em causa.

O PCP defendeu ainda a contratação de médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares, em detrimento das subcontratações e vínculos precários, além da revogação das taxas moderadoras e a disponibilização de transporte de doentes não urgentes.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.