A disparidade é grande, reconhece Fatumata Baldé, presidente da comissão guineense que luta contra a excisão, mas refere que o facto de haver alguém preso está a ser dissuasor.

“No sul, numa aldeia que decidiu abandonar a prática, houve um imã [líder muçulmano] que defendeu que a excisão devia continuar. Uma fanateca [mulher que executa a mutilação] entregou-lhe a faca e disse-lhe que, se quisesse, que a fizesse ele, porque ela não queria ir presa”, descreve.

No Dia Internacional de Tolerância Zero para a Mutilação Genital Feminina (MGF), que se assinala no sábado, Fatumata quer visitar as pessoas que estão presas por cometer o crime.

“Apesar de violarem a lei, merecem ser tratados com respeito por todos os direitos humanos”, sublinha à Lusa.

A visita serve para verificar as condições em que se encontram e até que ponto estão arrependidos do que fizeram.

A presidente da Comissão Nacional para o Abandono de Práticas Nefastas quer que estas pessoas sirvam de referência e como líderes de opinião para acelerar o abandono de um hábito ancestral, sobretudo junto das comunidades muçulmanas.

Essa é a mesma razão pela qual a data vai ser assinalada na Guiné-Bissau com atividades na tabanca (aldeia) de Bidjini, no centro do país: “é uma tabanca com influência”.

Fatumata Baldé diz que a MGF está a diminuir na Guiné-Bissau de forma notória.

Este ano deverá ser realizado um novo estudo para complementar as informações recolhidas no Inquérito aos Indicadores Múltiplos (MICS) promovido pelo Governo e Nações Unidas – e cuja última edição corresponde a 2014.

Os dados do MICS são os únicos disponíveis e mostram que a percentagem de mulheres da Guiné-Bissau com idades entre os 15 e os 49 anos afetadas pela excisão desceu de 50 para 45% entre 2010 e 2014.

Há um senão: com medo da lei, há cada vez mais pais a sujeitar as filhas à MGF quando ainda são bebés, para haver menos possibilidades de denúncia.

De acordo com os testemunhos das mães recolhidos em 2014, 49,7% das raparigas guineenses ainda são alvo de alguma forma de MGF, desde que nascem até aos 14 anos.

E aos recém-nascidos nada resta senão depender dos adultos, num país em que ainda há quem defenda publicamente a mutilação.

Em julho, um grupo encabeçado por líderes muçulmanos divulgou um abaixo-assinado entregue na Assembleia Nacional Popular para reverter a lei que desde 2011 criminaliza a mutilação.

A iniciativa não avançou, mas para Fatumata Baldé mostra a luta que ainda está pela frente para mudar mentalidades.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.