A petição, com 14 mil assinaturas, foi entregue na Assembleia em 2017 quando ainda estavam pendentes os projetos para a legalização da morte assistida, entretanto “chumbados” a 29 de maio.

A dúvida sobre se os peticionantes ainda querem que o texto seja discutido pelos deputados depois do desfecho do debate de há uma semana foi levantada pelo deputado do PCP António Filipe, durante a discussão do relatório, da autoria de Vânia Dias da Silva, do CDS, sobre a petição.

Eutanásia: Países onde a morte assistida é possível
Eutanásia: Países onde a morte assistida é possível
Ver artigo

Para António Filipe, a “petição sairia desvalorizada” depois de a Assembleia da República ter assistido a um dos “debates mais mediatizados” em 29 de maio.

Os processos de debate de uma petição e de projetos de lei são, regimentalmente, independentes.

Pelo regimento, as petições são discutidas (e não votadas) em plenário, dependendo a apresentação de iniciativas legislativas dos grupos parlamentares.

Foi pedido ao presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Pedro Bacelar de Vasconcelos, que contactasse os peticionários para saber se mantêm a intenção de a discussão ser feita nos próximos meses.

“Perguntar não faz mal”, admitiu Vânia Dias da Silva, embora antecipe que a resposta seja um “sim”, que querem que a petição seja debatida.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.