A oftalmologista, que trabalha no Massachusetts Eye and Ear Hospital, viu o seu artigo premiado pelo seu caráter inovador e de maior contributo para o tratamento da degenerescência macular relacionada com a idade (DMI). É já a segunda vez que a médica é premiada por aquela universidade.

O estudo demonstra uma técnica inovadora que permite, através de um teste de sangue, avaliar o risco de o doente ter DMI e qual a probabilidade desta doença progredir para o estado de cegueira.

Cuida bem dos seus olhos? Tome nota destas 10 recomendações médicas
Cuida bem dos seus olhos? Tome nota destas 10 recomendações médicas
Ver artigo

“Neste estudo utilizamos uma técnica nova que permitiu identificar biomarcadores no sangue que distinguem pessoas com DMI vs controlos da mesma idade, bem como distinguir as diferentes fases da doença”, afirma a investigadora em comunicado.

“Esta técnica inovadora considera a natureza multifatorial da doença, daí provavelmente a sua capacidade para identificar biomarcadores, mas nunca tinha sido usado antes”, diz, adiantando que foi o primeiro estudo em que isto foi feito.

Resultados “muito promissores”

Segundo a investigadora, os resultados foram “muito promissores”, podendo no futuro evitar que um doente com DMI tenha cegueira, por exemplo.

Inês Laíns
Inês Laíns na cerimónia de entrega do prémio créditos: DR

A DMI é uma “doença complexa, que envolve tanto fatores genéticos (história familiar) como fatores ambientais. Talvez pela sua complexidade, não se compreende bem como estes fatores interagem e não existem, até à data, formas de identificar quem são os indivíduos acima dos 50 anos com maior risco de desenvolver esta doença”, sublinha.

Além disso, “a doença em algumas pessoas progride para cegueira e não existem também formas de identificar quem são os indivíduos que têm maior risco de progredir para cegueira e que por isso precisam de um segmento diferente”.

Quem é Inês Laíns?

Inês Laíns completou a sua formação médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, onde o seu desempenho académico mereceu múltiplas distinções.

Apesar de ter iniciado a sua carreira de oftalmologia no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), mudou-se para Harvard após ter recebido um prémio da Harvard Medical School Portugal.

Este prémio deu-lhe a oportunidade de rumar ao Massachusetts Eye and Ear (MEE), nos EUA, onde atualmente se encontra a desenvolver um projeto de colaboração entre Portugal e os Estados Unidos na área da DMI.

Este projeto envolveu o estudo de mais de 500 doentes portugueses e americanos com esta doença, e está já a demonstrar importantes resultados, com várias publicações nas melhores revistas de Oftalmologia mundiais.

Sobre o reconhecimento do seu trabalho, a médica afirma que “é o resultado de um enorme investimento pessoal e profissional” e “fruto de muita paixão” por aquilo que faz diariamente e de “muito trabalho”,

“O prémio também é sinónimo de responsabilidade, espero agora conseguir continuar a corresponder às expectativas e sobretudo continuar a fazer ciência que tenha impacto na vida dos nossos doentes e possa contribuir para a diminuição da cegueira e para a melhoria da qualidade de vida daqueles que sofrem de doenças da visão”, sublinha Inês Laíns, que fez a sua formação médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

O ‘Evangelos S. Gragoudas Award’ raramente é atribuído mais do que uma vez ao mesmo médico, sendo que em toda a história da oftalmologia apenas dois especialistas conseguiram esse feito.

Em 2017, Inês Laíns ganhou o mesmo prémio por ter desenvolvido um teste para doentes com DMI, de apenas 20 minutos, e concluído que a “presença de determinadas lesões oculares estava associada a um maior tempo necessário para a capacidade de ver no escuro”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.