A insuficiência cardíaca é um dos principais motivos de internamento hospitalar nos idosos acima dos 65 anos e apresenta uma taxa de mortalidade superior a alguns cancros, afirmou hoje a coordenadora do Grupo de Estudos da Insuficiência Cardíaca (GEIC).

“Mesmo com o enorme avanço terapêutico que se tem registado, verifica-se que a mortalidade após cinco anos diagnóstico da doença é de 50 por cento. Quer isto dizer que é mais grave do que alguns cancros, por exemplo, o cancro da mama ou da próstata”, disse Brenda Moura.

A coordenadora do GEIC falava à Lusa a propósito do Dia Europeu da Insuficiência Cardíaca que se assinala no sábado e que será assinalado no Porto com uma reunião científica com médicos de várias especialidades e com a realização de uma caminhada.

O grande objetivo destas iniciativas, promovidas pelo GEIC, é sensibilizar e informar a população em geral sobre o que é a insuficiência cardíaca (IC), os seus sintomas, a importância do papel do doente e o tratamento, entre outros.

Segundo a especialista, o diagnóstico da IC é difícil porque os sintomas e sinais, os dados do eletrocardiograma, da radiografia do tórax e os exames laboratoriais são inespecíficos, porque são idênticos aos de outras doenças.

As principais causas da IC são a doença das coronárias (como o enfarte do miocárdio) e a hipertensão, mas esta síndrome é também potenciada pela obesidade, diabetes, tabagismo, alcoolismo e doenças pulmonares, entre outras.

“O cansaço e a falta de ar são os principais sintomas, devendo os pacientes com doenças cardíacas estar muito atentos e comunicá-los ao seu médico, sobretudo porque estes sintomas confundem-se com os de outras patologias”, sublinhou Brenda Moura.

De acordo com a cardiologista, “a insuficiência cardíaca passa muitas vezes despercebida aos próprios médicos, pelo que é necessário o envolvimento das várias especialidades para triar e tratar estes doentes”.

O último estudo sobre a Insuficiência Cardíaca em Portugal realizou-se em 1998. Atualmente, Portugal está a participar num registo europeu de caracterização dos doentes com IC quer crónica, quer aguda.

Devido ao envelhecimento da população e à maior sobrevivência após enfarte do miocárdio, estima-se que a prevalência da insuficiência cardíaca continue a aumentar nos próximos anos.

08 de maio de 2012

@Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.