Quando se espirra, o ar pode atingir facilmente os 240 km por hora e se retivermos essa pressão "podemos provocar sérios estragos" no organismo, assevera o médico Anthony Aymat, diretor do serviço de otorrinolaringologia da London's University Hospital Lewisham citado pela Associated Press.

Podemos ficar "parecidos com o homem da Michelin, cheios de ar dentro do nosso corpo", acrescenta o especialista.

As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
Ver artigo

Não foi isso que aconteceu exatamente com um homem de 34 anos cujo caso clínico foi publicado esta semana no jornal médico BMJ Case Reports.

O homem tentou conter um espirro e ao fazê-lo rasgou os tecidos que constituem a traqueia. Apesar de raro, os médicos afirmam que um espirro pode também danificar os ouvidos e até provocar um aneurisma cerebral, lê-se no estudo.

Dor intensa

Segundo o estudo, o homem sentiu um "estalo" no pescoço e logo após o episódio sentiu uma dor intensa, dificuldades em engolir e em falar. Procurou ajuda hospitalar e os médicos do hospital de Leicester verificaram que ele tinha a garganta inchada e sensibilidade no pescoço. Um exame de raio-x revelou que o ar saía da traqueia para o tecido mole do pescoço, porque os tecidos no interior do pescoço estava rasgados.

Dado o risco de infeção ou outras complicações, o homem ficou internado durante uma semana, foi alimentado por um tubo e foi-lhe administrado antibiótico por via intravenosa, explica o artigo científico.

"Parar um espirro através do bloqueio das narinas e da boca é perigoso e deve ser evitado", concluem os médicos do departamento de Otorrinolaringologia de Leyerster Royal Infirmary.

BMJ Case Reports
créditos: BMJ Case Reports

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.