“No polo dos Covões, temos uma adesão de 100% e as consultas estão completamente paradas”, salientou Carlos Fontes, delegado do Sindicato dos Trabalhadores e Funções Públicas do Centro.

Segundo o dirigente, os Hospitais da Universidade de Coimbra, principal polo do CHUC, a adesão à greve situa-se entre os 90 e os 95%, “com os serviços a funcionarem debilmente (…) com os recursos que têm”.

Carlos Fontes denunciou ainda situações “caricatas”, como a que aconteceu na Maternidade Daniel de Matos, em que os trabalhadores “estão a ser substituídos por empresas externas de segurança privada, o que não pode acontecer”.

De acordo com Carlos Fontes, os trabalhadores exigem a abertura dos processos negociais para valorização das carreiras e aumentos salariais e reforço dos efetivos, “porque há trabalhadores a saírem quase todos os dias dos hospitais”.

“Os trabalhadores querem melhores condições de trabalho e valorização das carreiras, que não são revistas há uma série de anos, e aumento salarial, já que a maioria, nomeadamente os assistentes operacionais, estão agarrados ao salário mínimo nacional, muitos deles com 20, 25 e mais anos de trabalho”, sublinhou.

Se o Governo não resolver “cabalmente a situação”, as estruturas sindicais pretendem avançar com outras formas de luta, embora sem adiantar em que moldes.

Este protesto está inserido na campanha "Defender e Reforçar o Serviço Nacional de Saúde Público, Gratuito e Universal", promovida pela CGTP-IN e que decorre ao longo deste ano.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.