Em 2010, o caso de quatro funcionários do cemitério do Alto de São João, em Lisboa, que foram chamados para exames no Instituto Tecnológico e Nuclear levantou a questão da proteção destes trabalhadores, por causa da cremação de um corpo de um homem que tinha feito tratamentos com iodo e não podia ser incinerado.

Apesar de os médicos garantirem que dão informação às famílias e aos doentes, as regras para garantir o cumprimento pelas funerárias ainda continuam por definir.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

Contactada pela Lusa, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que desde abril tem a responsabilidade por esta área, admitiu estar “a analisar a necessidade de regulamentação adicional em várias das matérias do âmbito da proteção radiológica e segurança nuclear”, sendo a cremação de doentes oncológicos que fizeram tratamentos de radioterapia uma delas.

Em declarações à agência Lusa, Lucília Salgado, da Unidade de Medicina Nuclear do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, explica que, nestes casos, a cremação é desaconselhada e diz que o IPO dá todas as indicações sobre o assunto à família e, se necessário, às funerárias.

Contudo, não há capacidade para assegurar que as recomendações fornecidas ao doente e à família são cumpridas à risca e esta matéria, que estava sob a alçada da Direção-Geral de Saúde (DGS), passou no ano passado para a APA, que assumiu as matérias relativas à proteção radiológica e segurança nuclear a 02 de abril.

No caso do doente de 2010, a incineração também era desaconselhada e o corpo acabou cremado. Na altura, Graça Freitas, atualmente diretora-geral da Saúde, disse que se tratava de níveis mínimos de radiação, mas reconhecia que a DGS preparava indicações para as funerárias.

"Pode haver sempre uma situação que escapa ao nosso controlo. (…) Mas fazemos recomendações às famílias e vamos fazer também às funerárias ", dizia na altura Graça Freitas sobre as indicações que, até hoje, nunca chegaram às funerárias.

Contactada pela Lusa, a Associação dos Agentes Funerários de Portugal garantiu não ter recebido “qualquer informação relativa à cremação de corpos de doentes oncológicos, designadamente doentes que tenham sido sujeitos a tratamentos de radioterapia” nem qualquer alerta para a necessidade de cumprimento de protocolos de segurança pelos agentes funerários.

Em declarações à agência Lusa, Lucília Salgado, especialista em medicina nuclear do IPO de Lisboa, explicou que nos doentes, como o de 2010, que fazem tratamentos com cápsulas de iodo 125 “as sementes ficam dentro da pessoa” e as indicações dizem que, em Portugal, esses doentes “não devem ser cremados”.

Conhece alguém com cancro? Faça-lhe um grande um favor e não diga isto
Conhece alguém com cancro? Faça-lhe um grande um favor e não diga isto
Ver artigo

“Em todos os enquadramentos e usos de radiação há regras. A radiação está em todo o lado e o que fazemos é a que utilizamos para determinados fins, balizando determinados aspetos”, explica a especialista, sublinhando: “As utilizações são seguras e temos sempre em mente, quando usamos radiação, que o benefício tem de ser superior ao risco, senão não usamos”.

Por exemplo, nestes tratamentos, “os doentes têm de ter uma estimativa de sobrevida superior a 3 meses”: “Se for um doente em caso terminal, não se usa”.

Também Teresa Reino, especialista em física médica do IPO de Lisboa que mede o nível de radiação que os doentes emitem à saída do instituto, explica que são sempre explicadas as regras de proteção a adotar pelo doente e família.

Evitar o contacto com crianças e com grávidas, puxar autoclismo várias vezes e lavar muito bem as mãos são alguns dos cuidados a ter em conta: “Transmitimos oralmente e damos indicações escritas, também”, explica, sublinhando que a morte de um doente radioativo “é muito raro”.

Outros dos cuidados nos casos mais complicados é que não deve haver velório e que o caixão deve estar fechado, pois é selado com chumbo, que atenua a radiação, explica.

Questionadas sobre as garantias de cumprimento das regras pelas famílias, as especialistas do IPO respondem: “Garante-se que as pessoas têm de as cumprir”.

A agência Lusa tentou por diversas vezes junto da DGS perceber porque é desde o caso de 2010 não foi elaborado nenhum conjunto de regras para as funerárias, mas tal não foi possível em tempo útil.

notícia corrigida às 13h43 

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.