"Conhecendo todos nós o diagnóstico e havendo vontade, nomeadamente política, para enfrentarmos os desafios da saúde em Portugal, temos que admitir, ainda assim, que esta é uma tarefa estrutural e que não se consegue resolver no curto prazo, ainda que se tenha que começar já", afirmou António Sales na conferência "Saúde: A prioridade da legislatura", organizada pela Convenção Nacional da Saúde, que decorre hoje em Lisboa.

Mas, sublinhou, "os objetivos só serão alcançados se fizermos esforços conjuntos e articulados entre as diversas entidades da saúde, em particular no Serviço Nacional de Saúde".

À margem da conferência, o governante explicou aos jornalistas que todos têm de ter "a serenidade e a tranquilidade de perceber" que estas questões "não se resolvem de um dia para o outro".

"Temos que transformar esta cultura do imediatismo e passá-la a uma cultura de todos nós percebermos que é com o tempo que conseguimos proceder a algumas reformas e também, obviamente, acorrer a algumas situações que são mais imediatas como tentamos todos os dias fazer", sublinhou.

Questionado sobre as prioridades da nova legislatura, António Sales apontou a humanização dos serviços de saúde como "a primeira grande prioridade", bem como a prestação dos cuidados de saúde.

“É uma questão primordial", vincou, defendendo ainda a importância de envolver os cidadãos na gestão, na participação e na organização dos serviços de saúde.

"Eu sei que é intangível, nunca conseguimos medir esta questão da humanização porque isso depende de cada um de nós, de profissionais de saúde, de associações, mas é importante reconhecer o papel extraordinários que os profissionais de saúde têm feito neste sentido, tentando melhorar dia-a-dia junto dos doentes", sustentou.

Sublinhando que o programa do Governo na área da saúde é essencialmente social, António Sales destacou algumas medidas "mais tangíveis" e que "são extremamente relevantes porque vão ao encontro das classes mais fragilizadas e das pessoas mais vulneráveis, nomeadamente o alargamento do cheque-dentista às crianças a partir dos dois anos, um vale de óculos para crianças e jovens até aos 18 anos e para os idosos com Rendimento Social de Inserção.

Sobre a falta de médicos nos hospitais, afirmou que na anterior legislatura houve um esforço de recuperação de profissionais de saúde, mas que "ainda não é o suficiente".

"Queremos mais e por isso vamos fazer um investimento sério nesta área", disse, defendendo ainda que é preciso criar "uma cultura de rede nas áreas metropolitanas, nomeadamente em Lisboa, no Porto, que é um bom exemplo desta cultura de rede ao nível hospitalar".

Às vezes é preciso priorizar esta cultura de rede de segurança em detrimento da proximidade dos serviços, explicou.

Presente na conferência, o presidente da comissão organizadora da Convenção Nacional da Saúde, Eurico Castro Alves, reafirmou que "Portugal tem um sistema de saúde que, apesar das dificuldades, tem garantido o acesso aos cuidados de saúde a todos os cidadãos com um nível razoável de qualidade, equidade e eficiência".

No entanto, defendeu, "esta enorme conquista requer que pensemos em novas soluções e adotemos novas abordagens que permitam renovar o sistema de saúde para uma nova era".

"No momento em que se abre um novo ciclo político, torna-se pertinente lançar o debate sobre a nova prioridade que deve ser dado ao reforço do investimento público na área da saúde", defendeu o presidente da comissão organizadora da Convenção Nacional da Saúde, que reúne mais de 150 entidades do setor público, privado e social que atuam na área da Saúde em Portugal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.