A bastonária Ana Rita Cavaco manifestou hoje a intenção de realizar um referendo sobre a morte assistida para perceber qual a posição dos enfermeiros em relação ao tema, que deverá ser alvo de debate interno entre os profissionais de enfermagem.

Para a representante dos enfermeiros, uma eventual legalização da eutanásia em Portugal tem sempre de ser discutida também entre os vários profissionais de saúde, não alijando nem empurrando responsabilidades.

“O doente é seguido e assistido em complementaridade por toda a gente. Enfermeiros e médicos têm que, em conjunto, discutir as questões, é em conjunto que a questão tem de ser encontrada, não podemos empurrar responsabilidades de uns para os outros”, afirmou Ana Rita Cavaco em declarações à agência Lusa.

Hoje, o presidente da Associação de Bioética defendeu que a eutanásia não deve ser praticada por médicos mesmo que venha a ser legalizada, considerando que há outros profissionais que podem ser envolvidos na questão.

“Da mesma maneira que não acho que outro grupo profissional possa empurrar a prática desse ato para os enfermeiros, os enfermeiros também não vão empurrar para outro grupo profissional. É em conjunto que tratamos do doente”, argumentou a bastonária dos enfermeiros.

Ana Rita Cavaco quer que os enfermeiros se pronunciem sobre a morte ou suicídio assistido, tendo uma posição definida caso se avance para uma legalização, depois de a sociedade discutir o assunto: “Caso esta questão venha a ser legalizada, mais vale tomarmos uma posição e dizermos de forma clara internamento com o que discordamos ou concordamos”.

Também o bastonário da Ordem dos Médicos já assumiu a necessidade de fazer um referendo interno à classe, como forma de uma eventual alteração ao Código Deontológico, caso a morte assistida se legalize.

A título pessoal, a bastonária dos enfermeiros admite a eutanásia aplicada de forma consciente e em situações terminais e de sofrimento intolerável, mas avisa que seria sempre necessário “balizar bem os casos”, mostrando-se totalmente contrária à morte assistida em casos de perturbações psicológica ou depressões, por exemplo.

Ana Rita Cavaco lembrou ainda a necessidade de investir na área dos cuidados paliativos, nos quais são essenciais os enfermeiros e que é uma das áreas onde a carência destes profissionais é evidente.

A questão da eutanásia tem sido debatida nas últimas duas semanas desde que foi divulgado um manifesto pela despenalização da morte assistida, assinado por mais de 100 personalidades.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.