Problemas nos sistemas de videovigilância, nas unidades de pediatria e obstetrícia, e ainda falhas no controlo das portas das maternidades, uma das medidas para evitar raptos de recém-nascidos. Estas são algumas das falhas encontradas pela Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) nos serviços de internamento três centros hospitalares públicos e de um hospital também do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A Ordem dos Médicos já reagiu à notícia, condenando a inação do Ministério da Saúde no que toca à proteção de utentes e profissionais de saúde.

Mulher dá à luz em corredor de hospital e fotógrafa capta o momento
Mulher dá à luz em corredor de hospital e fotógrafa capta o momento
Ver artigo

Aa IGAS auditou serviços nos centros hospitalares de Coimbra, Porto, Algarve e ainda no Hospital de Évora. "Da análise de todos os processos conclui-se que as irregularidades apresentadas são, de modo geral, comuns à maioria das unidades hospitalares auditadas", refere o parecer da IGAS citado pelo jornal Público.

Segundo o jornal, o serviço de neonatologia de Faro não aplicava sequer pulseiras eletrónicas com alarme nos recém-nascidos. Já o sistema de videovigilância no Hospital de Santo António e Centro Materno-Infantil, no Porto, não estão a funcionar corretamente. No Hospital dos Covões e na Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, as pulseiras eletrónicas não acionam o encerramento automático das portas, sempre que uma pulseira se aproxime ou tente passar a zona de segurança.

O jornal escreve que com o relatório o IGAS pretendeu avaliar o cumprimento de um despacho de 2008 que impôs novas regras de segurança.

Médico suspenso na Madeira diz que tem provas de negligência no serviço público
Médico suspenso na Madeira diz que tem provas de negligência no serviço público
Ver artigo

Desde 2009, depois de dois bebés terem sido raptados no Hospital de Penafiel, foram impostas regras para aumentar a segurança dos recém-nascidos, nomeadamente videovigilância com monitorização contínua e gravação de imagens de alta qualidade, colocação de pulseiras eletrónicas com alarme nos recém-nascidos, portas que fechem automaticamente quando detetadas irregularidades e identificação de todos os profissionais.

A inspeção verificou que estas regras ainda não são totalmente cumpridas. O parecer foi enviado para o Ministério da Saúde, conclui o Público.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.