“Condeno com a maior firmeza a divulgação inqualificável dos dados pirateados do centro hospitalar de Corbeil-Essonnes”, escreveu hoje o ministro da Saúde francês, François Braun.

“Não faremos cedências a esses criminosos. Todos os serviços do Estado estão mobilizados”, acrescentou, citado pela AFP.

O hospital garante cobertura sanitária a perto de 700.000 habitantes e a divulgação das informações de saúde representa um risco de chantagem ou de extorsão para as pessoas envolvidas.

Segundo o hospital, as informações divulgadas pelos piratas na “dark web” “parece dizer respeito a utentes, ao pessoal e aos nossos parceiros”.

Entre essas informações figuram “alguns dados administrativos”, incluindo números de segurança social e “alguns dados de saúde, como relatórios de exames”, afirmou o centro hospitalar.

Segundo Damien Bancal, autor de um blogue de cibersegurança, o Zataz.com, que consultou o ficheiro que divulga os dados, este contém documentos como exames médicos, recurso à cobertura médica universal (CMU) e uma autorização de internamento no serviço psiquiátrico.

De acordo com o Zataz, o ultimato dado pelos ‘hackers’ ao hospital expirou em 23 de setembro.

O resgate fixado durante o ciberataque, no dia 21 de agosto, foi de 10 milhões de dólares, mas depois baixou para um ou dois milhões, segundo fontes que não foram divulgadas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.