Pais de crianças autistas procuram em atividades especializadas, como a equitação psico-educacional e oficinas de arte, uma forma de lutar contra a exclusão dos filhos, mas também de descobrir potencialidades, promovendo a sua autonomia.

O psicólogo Leopoldo Gonçalves Leitão considera que a criança autista “beneficia grandemente” de uma intervenção especializada como a equitação psico-educacional, que valoriza a pessoa em detrimento da patologia, realçando as suas competências.

Se esta intervenção for iniciada precocemente e tiver uma longa duração terá benefícios ao nível da relação, da comunicação e do comportamento, adianta o técnico de equitação psico-educacional, definindo esta atividade como “uma terapia de excelência para trabalhar com crianças portadoras de autismo e respetivas famílias”.

Como aliado nesta intervenção, as crianças têm o cavalo, que através dos seus diferentes andamentos proporciona “uma experiência pessoal única à criança”, salienta o técnico à agência Lusa.

Gonçalves Leitão considera “profundamente gratificante” trabalhar com estas crianças, que vão ficando gradualmente mais autónomas, e com as famílias.

“É um processo de crescimento e aprendizagem mútua, partilhado por todos, pais, crianças e técnicos”, que investem numa espécie de “parceria” no que diz respeito à identificação das necessidades e das potencialidades destas crianças e jovens.

Segundo o psicólogo, esta intervenção permite delinear um percurso ao longo do qual os pais aprendem a gerir zangas e culpabilidades, mas, sobretudo, aprendem a descobrir as potencialidades dos seus filhos.

Há vários anos que o artista plástico Miguel Horta desenvolve no Centro de Artes Modernas da Fundação Calouste Gulbenkian as “Oficinas Museu Aberto”, que promovem “um trabalho criativo e estimulante” para crianças e jovens com necessidades educativas especiais.

Estas “oficinas” envolvem toda a família e cruzam as diferentes linguagens artísticas: movimento, expressão corporal, desenho e fotografia.

Para Miguel Horta, a comunicação com o jovem autista “é um fascínio e um desafio muito grande, com algumas frustrações, mas feito com muito gosto e muita teimosia”.

“Nós acreditamos que a arte é um belo veículo de comunicação, sobretudo a contemporânea, e as nossas oficinas estão adaptadas para este público”, disse à Lusa.

O mediador cultural diz que está sempre a inventar novos meios de comunicação e estratégias para conseguir entrar no mundo destas crianças. Quando isso acontece “é uma vitória”.

“O autismo é uma profunda solidão em que a pessoa está fechada no seu mundo como se tivesse os olhos virados para dentro. Aquilo que nós fazemos é chamar a sua atenção através da arte”, conta.

23 de novembro de 2011

@Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.