Investigadores da Fundação para a Promoção da Saúde e Pesquisa Biomédica da Comunidade Valenciana (Fisabio) e do Instituto de Pesquisas sobre a Saúde La Fe (IIS La Fe) encontraram Bisfenol A, F e S no leite de mulheres que amamentavam.

A presença destes produtos no organismo humano é altamente prejudicial para o desenvolvimento físico e mental, principalmente para fetos, bebés e crianças pequenas, lê-se na introdução da investigação científica.

O estudo, que se baseou numa amostra de 120 mães, foi publicado na prestigiada revista científica Science of the Total Environment.

Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Ver artigo

Segundo o jornal El Mundo, a descoberta feita pelos investigadores espanhóis é acompanhada por recomendações simples: "Fazer uma utilização muito intensiva de cremes (várias vezes ao dia durante a semana) aumenta o risco de contaminação do leite materno por bisfenol A". Trata-se de um alerta que, segundo os cientistas, não tem de ser alarmante porque o uso não intensivo - mesmo diariamente, mas não várias vezes ao dia - "não está associado a níveis mais altos dessa substância", esclarecem os autores da investigação.

A mensagem de saúde é clara: o leite materno "é nutricionalmente muito positivo para os bebés e os resultados do estudo atual indicam que ele também é recomendado do ponto de vista da segurança alimentar", garante um dos co-autores e diretor do estudo.

Três dos investigadores que participaram no estudo
Três dos investigadores que participaram no estudo créditos: Direitos Reservados

Como reduzir a contaminação?

Para o autor do estudo e cientista do IIS La Fe Máximo Vento, à luz dos resultados, "uma forma de minimizar a exposição ao bisfenol A seria restringir a aplicação de cremes e produtos para cuidados pessoais".

A análise às amostras de leite materno - através cromatografia líquida seguida de espectrometria de massa - também explorou variáveis ​​sociodemográficas e de estilo de vida e concluiu que as mesmas estão associadas à variação nas quantidades de bisfenol A. Ou seja, os dados mostraram que o leite de mulheres que vivem em áreas rurais tem níveis mais baixos dessas substâncias tóxicas do que aquelas que vivem em áreas urbanas, por exemplo.

A primeira descoberta significativa do estudo foi que o bisfenol A foi detetado em 83% das amostras de leite. No entanto, "considerando os níveis detetados, a exposição diária ao bisfenol A que ocorre em bebés é, em média, 100 vezes menor do que o limite preconizado pela OMS", explica Vicent Yusà, investigador da Fisabio.

10 coisas que faz na casa de banho e que não devia
10 coisas que faz na casa de banho e que não devia
Ver artigo

Em relação ao Bisfenol F e ao Bisfenol S, possíveis substitutos do Bisfenol A nos processos de fabricação de plásticos, a análise revela que são detetados, respetivamente, em 20% e 1% das amostras.

Os resultados foram obtidos comparando a média geométrica dos valores de exposição com o limite de segurança mais estrito estabelecido pela OMS (que é de quatro microgramas de bisfenol A por dia e kg de peso do bebé).

Segundo citam os cientistas, apenas acima desse valor se pode considerar a hipótese dos mesmos acarretarem efeitos nocivos para a saúde humana.

Veja este vídeo - Amamentar com sucesso: tudo o que precisa de saber

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.